Troika

Seguro. Atraso de Passos Coelho em “chegar a conclusões óbvias” já habituou portugueses

António José Seguro, PS
António José Seguro, PS

O secretário-geral do PS considerou hoje que os portugueses já estão habituados a que o primeiro-ministro chegue tarde a “conclusões óbvias”, reiterando a necessidade de Portugal ter “pelo menos mais um ano” para consolidar as contas públicas.

“Os portugueses já estão habituados a que o primeiro-ministro chegue tarde a conclusões óbvias”, afirmou o secretário-geral, António José Seguro, quando questionado sobre as últimas declarações do chefe do executivo sobre a necessidade de existir uma dilatação no prazo para o cumprimento do programa de ajuda financeira.

No domingo, o primeiro-ministro disse que ainda não se sabe se será preciso mais tempo, mas sublinhou esperar que não.

“Nós não sabemos se precisaremos disso ou não. Esperemos que não. Esperemos poder pôr as nossas contas em ordem na altura devida, com o apoio que nos deram”, observou Passos Coelho.

Lamentando que os portugueses tenham de pagar “um preço elevado” por “essa chegada tardia do primeiro-ministro”, António José Seguro defendeu que mais importante do que a mudança de opinião do primeiro-ministro, é que o Governo proponha a alteração à ‘troika’.

Antes, o secretário-geral do PS já tinha adiantando que, durante o encontro que manteve esta manhã durante hora e meia com os responsáveis da ‘troika’, o partido reafirmou que é desejável que Portugal “tenha pelo menos mais um ano para consolidar as contas públicas”.

“O plano tal como está conduz a um agravamento das condições económicas e sociais no nosso país”, enfatizou António José Seguro, assegurando, contudo, que o PS defende que Portugal deve cumprir e honrar os compromissos assumidos, mas tal não se deve traduzir em “tantos sacrifícios”.

Questionado se entende que Portugal caminha para uma situação semelhante à da Grécia, o secretário-geral socialistas lembrou que tudo tem sido feito para o evitar, considerando que o país “tem ainda condições para conseguir cumprir os seus objetivos”.

Contudo, acrescentou António José Seguro, é preciso “olhar à realidade e à conjuntura”, tendo em conta que “a situação interna no ponto de vista económico e no ponto de vista social agravou-se” e que a situação da economia da zona euro ela também se deteriorou.

“Havendo alteração das condições externas e internas é importante que o memorando não fique imutável, não fique inflexível. Se houve uma alteração das condições internas e das condições externas é muito relevante que o memorando também seja adaptado”, vincou.

Ainda relativamente à situação na Grécia, António José Seguro fez votos para que hoje a Europa “aprove finalmente uma nova ajuda” àquele país.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Seguro. Atraso de Passos Coelho em “chegar a conclusões óbvias” já habituou portugueses