Greve geral da função pública

Seis mil protestam em Lisboa contra proposta de aumento para função pública

Lisboa, 30/1/2020 - Os trabalhadores da administração pública realizam esta tarde uma manifestação nacional na sequência de uma greve nacional, a primeira da atual legislatura, convocada por  várias organizações sindicais da CGTP e da UGT.
(Reinaldo Rodrigues/Globalimagens)
Lisboa, 30/1/2020 - Os trabalhadores da administração pública realizam esta tarde uma manifestação nacional na sequência de uma greve nacional, a primeira da atual legislatura, convocada por várias organizações sindicais da CGTP e da UGT. (Reinaldo Rodrigues/Globalimagens)

Trabalhadores exigem aumentos maiores do que 0,3% para todos os funcionários.

Pelo menos seis mil pessoas participam esta sexta-feira na manifestação nacional da função pública, em Lisboa, contra a proposta de aumentos salariais de 0,3% apresentada pelo Governo, segundo números avançados à Lusa por fonte policial.

A manifestação partiu do Marquês de Pombal pelas 15h10 e chegou às 16h20 a São Bento, junto da residência oficial do primeiro-ministro, António Costa, e, segundo as estimativas da polícia, estão entre seis a sete mil pessoas no protesto.

Durante o percurso, os manifestantes gritaram frases de ordem como “Agora que há excedente, que venha para a gente” e “Para a banca e capital há milhões, para os trabalhadores há tostões”, que se fizeram acompanhar por assobios, quando o protesto passou junto à sede do Partido Socialista, no Largo do Rato.

Esta é a primeira greve nacional da função pública desde que o atual Governo liderado por António Costa tomou posse, em outubro, e acontece a menos de uma semana da votação final global da proposta de Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), marcada para 6 de fevereiro.

O Governo apresentou uma proposta de aumentos salariais de 0,3% para a função pública e chegou a dar a negociação por encerrada, mas a responsável pela pasta, a ministra Alexandra Leitão, voltou entretanto a convocar as organizações sindicais para reabrir o processo negocial, uma reunião que está marcada para 10 de fevereiro, após a votação do OE2020.

A decisão não foi suficiente para travar a paralisação, com a ministra a declarar que “nunca foi propósito da marcação desta negociação com os sindicatos levá-los a desmarcar a greve” que, afirma, “é um direito integralmente respeitado”.

A anterior greve nacional da função pública que juntou as federações sindicais do setor da CGTP e da UGT realizou-se no último ano da anterior legislatura do governo de António Costa, em 15 de fevereiro de 2019, contra a política salarial do executivo, e teve uma adesão superior a 80%, segundo os sindicatos.

Em 2019 não houve atualização salarial geral, mas o Governo decidiu elevar a remuneração mínima do Estado de 600 euros (equivalente ao valor do salário mínimo nacional naquele ano) para 635,07 euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
A Poveira, conserveira. Fotografia: Rui Oliveira / Global Imagens

Procura de bens essenciais dispara e fábricas reforçam produção ao limite

Fotografia: Regis Duvignau/Reuters

Quase 32 mil empresas recorrem ao lay-off. 552 mil trabalhadores em casa

coronavírus em Portugal (covid-19) corona vírus

266 mortos e 10 524 casos confirmados de covid-19 em Portugal

Seis mil protestam em Lisboa contra proposta de aumento para função pública