Reforma

Serviço militar obrigatório vai facilitar acesso à pensão

Forças armadas Exército

A medida prevista vai antecipar a idade da reforma, reduzir os cortes por antecipação e permitir bonificações.

O Governo quer que o número de anos de serviço obrigatório, que atualmente tem impacto apenas no valor da taxa de formação da pensão, passe a ter mais benefícios, tornando mais fácil o acesso à reforma no regime geral da Segurança Social.

Segundo avançou o Público, esta terça-feira, a medida prevista na proposta de decreto-lei de execução orçamental vai antecipar a idade da reforma, reduzir os cortes por antecipação e permitir a obtenção de bonificações na pensão. Por exemplo, hoje em dia, uma pessoa que tenha 14 anos de registos de remunerações e que cumpriu serviço de militar obrigatório não tem direito à pensão normal, mas com esta medida pode vir a ter.

O serviço militar obrigatório já era, indiretamente, considerado na redução da idade normal da reforma, mas apenas se “na data em que o beneficiário perfizesse 65 anos, tivesse uma carreira contributiva, considerando o tempo de serviço militar obrigatório, superior a 40 anos”, explica a especialista da FSO Consultores, Filomena Salgada, citada pelo Público.

A ser aprovada, a medida vai aplicar-se a quem requereu a contabilização dos anos de serviço a partir de 1 de janeiro de 2018 ou a quem já o tenho feito antes, no caso de ainda não ter obtido resposta. Depois de questionado pelo Público sobre o alcance desta medida, o Ministério do Trabalho e da Segurança Social afirmou não se pronunciar sobre “versões preliminares”.

O serviço militar obrigatório existiu até 1999, ano em que foi introduzido um período de transição que terminou definitivamente em 2004.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Sarah Costa/Global Imagens

Tomás Correia, Montepio e BNI Europa. O que está por detrás das buscas

A coordenadora da Frente Comum, Ana Avoila
(TIAGO PETINGA/LUSA)

Frente Comum diz que é “inaceitável” negociar salários depois do orçamento

O secretário-geral da CGTP-IN, Arménio Carlos. MÁRIO CRUZ/LUSA

CGTP apela ao PM para negociar salários no Estado antes do Orçamento

Serviço militar obrigatório vai facilitar acesso à pensão