Segurança Social

Serviços chamados a pagar 0,5% para a ADSE de novos beneficiários

Contratos a termo também podem inscrever-se se estiverem a trabalhar há pelo menos um ano.

O governo já recebeu o projeto de diploma de alargamento da ADSE aos trabalhadores com contratos individuais de trabalho (com e sem termo) onde é proposto que as entidades empregadoras passem a fazer um desconto de 0,5% sobre a massa salarial dos novos inscritos. O diploma, que o Conselho Diretivo fez seguir para os ministérios da Saúde e das Finanças, abre ainda portas à entrada dos trabalhadores que deixaram passar o prazo de inscrição e aqueles que, tendo renunciado, queiram agora regressar, num total de mais de 65 mil pessoas.

O projeto segue de perto as orientações aprovadas no início de maio num parecer do Conselho Geral e de Supervisão (CGS), composto por 17 elementos, e que teve os votos contra dos quatro representantes do governo. O objetivo é agilizar o alargamento da ADSE a um conjunto de situações consideradas urgentes (como são aquelas três tipologias) ficando para mais tarde uma proposta de alargamento mais amplo, sustentado num estudo sobre o impacto da medida na sustentabilidade do sistema.

No documento a que o Dinheiro Vivo teve acesso determina-se que podem inscrever-se na ADSE os trabalhadores “com contratos sem termo em quaisquer entidades públicas” ou “em entidades públicas empresariais que tenham anteriormente pertencido ao universo da administração central, regional ou local”.

A entrada na ADSE é ainda permitida aos trabalhadores “com contrato de trabalho a termo” naquela tipologia de entidades “desde que a relação laboral tenha mais de um ano e enquanto se mantiverem nessa situação”.

O diploma impõem algumas condições prévias para que este alargamento se concretize, e que deverão ser vertidas num protocolo a celebrar entre a ADSE e a entidade, nomeadamente que as entidades em causa “tenham já beneficiários titulares da ADEE numa percentagem mínima de 20% face ao universo total de trabalhadores” e que se comprometam a fazer um desconto de “0,5% do salário base de cada trabalhador inscrito”. Aos funcionários que aderirem será cobrada a taxa de 3,5% paga por qualquer beneficiário titular deste subsistema de saúde.

Será ainda necessário, para que a inscrição se torne efetiva, que que “não existe na entidade nenhum seguro ou mecanismo equivalente que ofereça serviços aos trabalhadores concorrenciais à ADSE”.
A inscrição destes trabalhadores terá de ser feita no prazo de seis meses a contar da celebração do referido protocolo, extinguindo-se a partir daí a oportunidade de o fazerem.

No caso dos que renunciaram ao sistema e pretendam regressar e dos que no passado deixaram escapar a oportunidade de entrarem para a ADSE, ser-lhes-á dado um prazo de 120 dias após a entrada em vigor das novas regras para avançarem com a inscrição.

Este diploma visa agilizar a entrada no subsistema de saúde de um conjunto de trabalhadores – a maior parte deles ligados aos hospitais EPE – que o CGS entende que preenchem os requisitos e perfil para serem beneficiários da ADSE. Ainda que os representantes do governo tenham votado contra o parecer que sustenta este projeto, José Abraão, que representa a Federação dos Sindicatos da Administração Pública neste órgão, acredita que não haja do lado da tutela a criação de entraves a esta medida. E que o alargamento possa concretizar-se o mais rapidamente possível.

E a expectativa é de que o diploma possa estar já prestes a seguir para o circuito legislativo, quando o Conselho Geral e de Supervisão voltar a reunir-se, a 12 de julho.

Além do alargamento aos trabalhadores com contrato individual de trabalho, renúncias antigas (e que pelos atuais regras estão proibidos de regressar) e aos que deixaram passar o prazo para se inscreverem, a proposta também defende uma alteração à relação entre os futuros beneficiários titulares reformados e a ADSE. No regime que agora vigora, estão isentos de descontos os reformados e aposentados com um rendimento inferior ao salário mínimo nacional. E o que se pretende é que, de futuro, as pessoas com este perfil passem a fazer um desconto de 3,5% sobre um valor equivalente ao SMN.

“As pensões de aposentação e de reforma dos beneficiários titulares estão sujeitas ao desconto de 3,5%”, refere o documento, acrescentando que “o valor mínimo do desconto é o correspondente a 3,5% calculado sobre o valor fixado em cada ano para a remuneração mínima mensal garantida”, o SMN subiu este ano para os 580 euros e será atualizado em 2019 para, pelo menos, 600 euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP), Nazaré da Costa Cabral. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Linhas de crédito anti-covid ainda podem vir a pesar muito nas contas públicas

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. FILIPE FARINHA/LUSA

Marcelo promulga descida do IVA da luz consoante consumos

Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

Apoio a rendas rejeitado devido a “falha” eletrónica

Serviços chamados a pagar 0,5% para a ADSE de novos beneficiários