Trabalho

Sindicato lamenta salários em atraso na restauração na Figueira da Foz

Fotografia: Global Imagens
Fotografia: Global Imagens

Os dirigentes e delegados sindicais têm andado a distribuir a tabela salarial e a explicar os direitos em diversas unidades de restauração e hotéis.

O Sindicato dos Trabalhadores da Hotelaria e Restauração do Centro lamentou hoje ter encontrado casos de salários em atraso na Figueira da Foz, numa altura em que as unidades do setor estão com elevada ocupação.

Em declarações à agência Lusa a propósito de mais um dia da iniciativa “Em agosto a luta não vai de férias”, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria da Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Centro, António Baião, contou que “essa situação foi detetada em duas unidades”, que ainda não pagaram os salários de julho. “Os trabalhadores disseram-nos que não recebem trabalho extraordinário, trabalham muitas horas, sabem quando entram, mas não sabem quando saem, e ainda têm salários em atraso”, criticou.

O dirigente sindical admitiu que ficou surpreendido, uma vez que “neste período há um grande fluxo turístico”, visível em restaurantes e esplanadas. “A zona de restauração está sempre cheia durante este mês de agosto. Para nós é incompreensível que haja salários em atraso, uma vez que estão a ter muita receita”, frisou.

Segundo António Baião, quer em Coimbra na zona da restauração tradicional da baixa e nas duas áreas de grandes superfícies, quer na Figueira da Foz, os dirigentes sindicais encontraram situações que confirmam o que têm dito. “Não há falta de mão de obra no setor. O que há são más condições de trabalho para os trabalhadores, o que faz com que este setor seja procurado em fim de linha, por causa do salário mínimo nacional, dos horários de trabalhos e de trabalharem horas a mais sem serem pagas”, considerou.

É com o objetivo de “tentar ter os trabalhadores mais esclarecidos para diminuir a exploração por parte dos patrões, sobretudo neste período”, que o sindicato tem desenvolvido iniciativas como as de hoje, justificou.

Os dirigentes e delegados sindicais têm andado a distribuir a tabela salarial e a explicar os direitos em diversas unidades de restauração tradicional, restauração rápida e hotéis.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
boris johnson brexit

Brexit: Um acordo que responde “às circunstâncias únicas da Irlanda”

Álvaro Santos Pereira, ex-ministro da Economia, na comissão de inquérito do Parlamento sobre as rendas excessivas da eletricidade, Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Álvaro Santos Pereira ataca “corporativismo” de notários, advogados e arquitetos

Álvaro Santos Pereira, ex-ministro da Economia, na comissão de inquérito do Parlamento sobre as rendas excessivas da eletricidade, Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Álvaro Santos Pereira ataca “corporativismo” de notários, advogados e arquitetos

Outros conteúdos GMG
Sindicato lamenta salários em atraso na restauração na Figueira da Foz