Construção

Sindicato pede investigação a condições de trabalho de portugueses na Bélgica

Fotografia: REUTERS/Mike Hutchings
Fotografia: REUTERS/Mike Hutchings

O presidente do Sindicato da Construção de Portugal quer uma investigação "à violação grosseira da lei do destacamento" de trabalhadores na Bélgica.

O presidente do Sindicato da Construção de Portugal, Albano Ribeiro, defendeu esta sexta-feira, no Porto, uma investigação “à violação grosseira da lei do destacamento” de trabalhadores portugueses na Bélgica.

A situação é “tão grave” que o sindicato vai pedir a investigação de várias empresas, para assim “evitar a morte de trabalhadores do setor que estão a trabalhar na Bélgica”.

“Dezenas de empresas do setor da construção estão a desviar milhões de euros ao Estado português e aos trabalhadores, pois a estes não lhes é pago o salário do país de acolhimento tendo em conta a lei do destacamento, como exemplo um carpinteiro belga ganha 2.500 euros mês e um português a desempenhar as mesmas funções na mesma obra recebe 700 euros”, afirmou.

Em conferência de imprensa, Albano Ribeiro disse que “muitos trabalhadores que foram trabalhar para a Bélgica, através de angariadores de mão-de-obra, foram abandonados. Se não fossem as empresas idóneas da construção portuguesas que já estão há vários anos na Bélgica a dar-lhes trabalho poderiam tornar-se mendigos”.

“Estes patrões estão a fazer concorrência desleal com as empresas portuguesas idóneas que estão a operar neste país que é a casa da democracia europeia”, sublinhou.

Face a esta “situação muito grave”, o Sindicato vai pedir a intervenção da Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT), da Polícia Judiciária (PJ) e da Segurança Social.

“É urgente a intervenção da ACT portuguesa com a sua congénere belga, para investigar a violação grosseira da lei do destacamento”, defendeu.

O dirigente sindical pretende que as autoridades investiguem, nomeadamente, “a discriminação salarial, de alojamento e de viagens, os descontos para a Segurança Social e as diferenças salariais (três vezes menos do que os locais)”.

Albano Ribeiro referiu ainda que “estes patrões inicialmente pagavam as viagens por companhias de voo ‘low-cost’ [de baixo custo], agora os trabalhadores depois de 10 horas de trabalho fazem 19 horas de viagem em carrinhas até Portugal”.

“O sindicato e os portugueses conhecem bem a triste realidade daquilo que aconteceu na década de 90 do século passado entre Espanha e Portugal, quando 45 trabalhadores do setor perderam a vida nas estradas espanholas”, disse.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Governo ganha 128 milhões de euros em receita com aumentos da função pública

Autoridade para as Condições do Trabalho

Inspetores do Estado contra “140 anos para chegar ao topo da carreira”

António Mexia, presidente executivo da EDP. Fotografia: REUTERS/Pedro Nunes

Chineses da EDP não abdicam de desblindar estatutos. OPA quase morta

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Sindicato pede investigação a condições de trabalho de portugueses na Bélgica