Construção

Obras. Governo deve intervir em casos de “escravatura” no estrangeiro

Fotografia: REUTERS/Mike Hutchings
Fotografia: REUTERS/Mike Hutchings

O Sindicato da Construção de Portugal reclamou hoje a intervenção do Governo português nos "casos de escravatura".

O Sindicato da Construção de Portugal reclamou hoje a intervenção do Governo português nos “casos de escravatura” que diz estarem a afetar trabalhadores portugueses do setor na Dinamarca, Arábia Saudita, França e Alemanha.

“Quanto mais se agrava a situação de crise na construção civil em Portugal mais problemas está a haver com trabalhadores que vão para fora do país. Acho que o Governo português tem que interceder”, afirmou o presidente do sindicato, Albano Ribeiro, após uma conferência de imprensa no Porto.

Leia mais: Reportagem. O inferno de 80 portugueses presos na Arábia Saudita.

Segundo o dirigente sindical, na Dinamarca está em causa a situação dos trabalhadores afetos à obra de extensão da rede de metro de Copenhaga, que recentemente levou à condenação da empresa dinamarquesa de construção CNBT DK ApS ao pagamento de 19 milhões de coroas dinamarquesas (cerca de 2,5 milhões de euros) em indemnizações por irregularidades nos pagamentos e nos horários laborais.

“Os trabalhadores portugueses no metro da Dinamarca receberam 2,5 milhões de euros de indemnizações, mas há mais problemas para resolver. Há associados nossos que dizem que trabalham 56 a 62 horas por semana, contra as 37 horas que tinham que trabalhar, e não ganham o mesmo salário dos trabalhadores dinamarqueses”, afirmou Albano Ribeiro.

Adiantando ter já solicitado uma reunião à federação sindical 3F, a maior da Dinamarca e que esteve envolvida nas negociações com a CNBT DK ApS, o sindicalista diz pretender deslocar-se aquele país “para contactar com os trabalhadores no terreno”.

Albano Ribeiro denuncia ainda “o inferno” em que diz estarem a viver 80 trabalhadores portugueses da construção na Arábia Saudita, devido à situação de salários em atraso que afeta cerca de 30.000 trabalhadores estrangeiros do setor naquele país.

“Há trabalhadores portugueses que têm 10 meses de salários em atraso. Dizem que estão presos no inferno, que ninguém lhes resolve o problema e pediram ajuda ao sindicato. Hoje mesmo vamos tentar entrar em contacto com organizações locais para ver da possibilidade de fazer uma deslocação lá e vamos solicitar uma reunião urgente ao secretário de Estado das Comunidades”, disse.

Debaixo das críticas do dirigente sindical está também o facto de os 260 trabalhadores franceses afetados pela situação na Arábia Saudita já terem visto o seu problema “ultrapassado porque houve uma intervenção por parte do Governo francês, apesar de ganharem duas vezes mais do que os portugueses”. Será que é por sermos um país pequeno que não nos resolvem o problema?”, questiona.

Os problemas dos trabalhadores portugueses do setor da construção estendem-se também ao Sul de França, onde “uma grande obra com mais de 100 trabalhadores foi embargada pelas autoridades porque não estavam a cumprir em matéria salarial, de alimentação e de alojamento”.

“Depois – acrescentou – também problemas na Alemanha, onde cerca de 2.000 trabalhadores portugueses estão numa situação de escravatura contemporânea: São angariados em Portugal com a promessa que vão ganhar 3.400 euros e, depois, estão a ganhar 700 euros por mês e pagando alimentação e alojamento”.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Biedronka assegura 68% das vendas; Pingo Doce 24%

Jerónimo Martins vai impugnar coima de 24 milhões na Polónia

Parque Eólico

EDP Renováveis vende sete parques eólicos à Finerge em Espanha

Luís Máximo dos Santos é presidente do Fundo de Resolução.

Fundo de Resolução diz que comprador da GNB tinha a proposta “mais atrativa”

Obras. Governo deve intervir em casos de “escravatura” no estrangeiro