portos

Sindicatos dos portuários querem antecipação da reforma

Portos querem aumentar capacidade

Pedido de reunião urgente já foi feito chegar à ministra do Mar, Ana Paula Vitorino

Os sindicatos dos trabalhadores portuários da UGT reivindicam o reconhecimento da penosidade das funções para que as reformas antecipadas não sejam penalizadas e aguardam a marcação de uma reunião com a ministra do Mar para com ela discutir o assunto.

“Queremos o reconhecimento da penosidade da profissão para efeitos de antecipação da reforma, o que seria também uma mais valia para o setor portuário dado que os trabalhadores com mais de 60 anos estão muito desgastados para as tarefas que lhes são exigidas”, disse à agência Lusa o presidente da Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores Portuários, Aristides Peixoto.

Os oito sindicatos que integram a federação, filiada na UGT, reuniram-se em assembleia-geral e aprovaram um documento reivindicativo que enviaram à ministra da tutela, Ana Paula Vitorino, com um pedido de reunião urgente.

Segundo Aristides Peixoto, a federação sindical já tinha enviado há cerca de uma ano e meio um extenso documento à ministra e tem aguardado, em vão, a marcação de uma reunião.

Fonte do gabinete da ministra do Mar disse à agência Lusa que a estrutura sindical vai ser contactada para agendar o encontro.

Os sindicatos, que representam mais de 600 trabalhadores dos portos de Leixões, Aveiro, Sines e das regiões autónomas, querem discutir questões profissionais e sociais, de modo a garantir direitos laborais e a segurança no emprego.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Vaz, CEO da Vodafone Portugal  Fotografia: Orlando Almeida / Global Imagens

Mário Vaz. “Havendo frequências, em julho teríamos cidades 5G”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (C), durante a cerimónia militar do Instituto Pupilos do Exército (IPE), inserido nas comemorações do 108.º aniversário da instituição, em Lisboa, 23 de maio de 2019.  ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Marcelo: “Quem não for votar, depois não venha dizer que se arrepende”

Certificados

Famílias investiram uma média de 3,3 milhões por dia em certificados este ano

Outros conteúdos GMG
Sindicatos dos portuários querem antecipação da reforma