Sindicatos duvidam que remunerações no Estado não sejam alteradas

José Leite Martins reúne-se hoje com os sindicatos
José Leite Martins reúne-se hoje com os sindicatos

A FESAP manifestou esta sexta-feira "sérias dúvidas" em relação à promessa do Governo de que os funcionários públicos não venham a sofrer quaisquer cortes com as mudanças na tabela remuneratória única e com a revisão de suplementos no Estado.

“Na perspetiva do Governo nenhum trabalhador vai ser prejudicado no montante salarial mensal relativamente ao que recebe agora. Mas nós temos sérias dúvidas”, referiu o coordenador da FESAP, Nobre dos Santos, no final de uma reunião com o secretário de Estado da Administração Pública.

Nobre dos Santos disse ainda não haver “confiança entre as partes” porque “negociar com este Governo tem sido um bocado na lógica do futebolês”.

O governo tem reiterado que a integração de todas as carreiras na nova tabela remuneratória única, a partir de janeiro de 2015, não implicará nem perdas nem ganhos salariais, havendo a mesma promessa em relação à revisão dos suplementos.

Esta foi a primeira reunião do secretário de Estado da Administração Pública com os sindicatos, que abre a discussão da tabela remuneratória única. A proposta apresentada pelo governo prevê ainda a manutenção dos cortes salariais que vigoraram entre 2011 e 2013 e sobre esse tema, José Leite Martins informou os sindicatos de que não haverá margem para qualquer alteração.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, durante a inauguração das Escadinhas da Saúde rolantes, ao Martim Moniz. Fotografia: Nuno Pinto Fernandes/Global Imagens

Crescimento do turismo em 2019 é o mais baixo desde a última crise

Miguel Maya, presidente executivo do Millennium BCP.
JOÃO RELVAS/LUSA

Bancos ganharam mais de 5,2 milhões por dia

Miguel Maya, presidente executivo do Millennium BCP, durante a conferência de imprensa de apresentação dos resultados do 1.º trimestre de 2019, Lisboa, 9 de maio de 2019. JOÃO RELVAS/LUSA

BCP vai fazer uma proposta de distribuição de dividendos “muito conservadora”

Sindicatos duvidam que remunerações no Estado não sejam alteradas