Jean-Claude Trichet

Trichet: Situação financeira mundial está “tão perigosa” como em 2007-2008

Trichet, ex-presidente do BCE
Trichet, ex-presidente do BCE

A situação financeira atual está "tão perigosa" agora como em setembro de 2008, aquando da quebra do Lehman Brothers, disse o ex-presidente do BCE.

A situação financeira atual está “tão perigosa” agora como em setembro de 2008, aquando da quebra do banco norte-americano Lehman Brothers, considerou o ex-presidente do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet.

“É agora reconhecido que a enorme dívida nas economias avançadas tem sido um fator chave no desencadeamento da crise financeira mundial de 2007 e 2008”, declarou Trichet à agência France Presse (AFP).

Hoje, “o crescimento da dívida dos países desenvolvidos – em particular privada – abrandou, mas este abrandamento é compensado por uma aceleração da dívida nos mercados emergentes. É isto que torna atualmente todo o sistema financeiro global, pelo menos, tão vulnerável, se não mais, do que em 2008 “, disse o responsável pelo BCE entre 2003 a 2011.

Sob a sua liderança, a instituição económica e monetária europeia, com sede em Frankfurt, seguia na linha de frente, ao lado de outros grandes bancos centrais globais em 2007.

“O verdadeiro início da crise financeira que iria estalar sobre o mundo, percebi em 09 de agosto de 2007 pela manhã quando fomos confrontados com uma interrupção completa do funcionamento do mercado monetário na área do euro”, recordou Trichet.

Vários sinais já tinham sugerido uma fragilidade do mercado hipotecário nos EUA, no verão de 2007 estes sinais aceleraram e as primeiras falências ocorreram nos Estados Unidos. No final de julho desse ano, já os mercados estavam abalados e a Europa contagiada, continuou.

Em 15 de setembro de 2008, a Lehman Brothers declarou falência, desencadeando a pior crise das finanças globais desde a Grande Depressão.

Nos dias que precederam o anúncio, Trichet diz ter estado em contacto permanente com Ben Bernanke (na altura presidente da Fed), referindo que naquela altura sentiu que o Governo norte-americano não estava preparado para intervir com dinheiro público e então “preparou-se para a catástrofe”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa, Pedro Siza Vieira, ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, e Ana Mendes Godinho, ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.  MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salários, crédito, moratórias e rendas. O que vai ajudar famílias e empresas

EPA/Enric Fontcuberta

Mais de 100 mil recibos verdes candidataram-se ao apoio à redução da atividade

A ministra da Saúde, Marta Temido.. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

295 mortos e 11 278 casos confirmados de covid-19 em Portugal

Trichet: Situação financeira mundial está “tão perigosa” como em 2007-2008