Economia

Siza Vieira: Greve de estivadores justificou PIB em 2018 abaixo da meta

Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante
Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

O ministro da Economia atribui hoje à greve dos estivadores o aumento de PIB em 2018, de 2,1%, abaixo da meta inscrita no Orçamento, de 2,3%.

“É possível que uma parte da explicação esteja no comportamento das exportações no final do ano, devido à greve dos estivadores no Porto de Setúbal que teve um impacto nos meses de novembro e dezembro” de 2018, afirmou o governante em conferência de imprensa em Lisboa.

Segundo a estimativa rápida do Instituto Nacional de Estatística (INE), o PIB português aumentou 2,1% em 2018, menos 0,7 pontos percentuais do que o observado no ano anterior.

O INE justifica que “esta evolução resultou do contributo mais negativo da procura externa líquida, verificando-se uma desaceleração das exportações de bens e serviços mais acentuada que a das importações de bens e serviços, e do contributo positivo menos intenso da procura interna, refletindo o crescimento menos acentuado do investimento”.

O ministro da Economia destacou que o crescimento do PIB mostra “que Portugal continua a crescer significativamente, acima da média da zona europeia e da zona euro”.

Pedro Siza Vieira disse ainda que o comportamento da economia no ano passado “também explica o grande dinamismo do mercado do emprego” e refletiu-se na “grande confiança dos investidores” em matéria económica.

A previsão do Governo de uma expansão de 2,3% do PIB no conjunto de 2018 era mais otimista do que a previsão da Comissão Europeia, de 2,1%, e da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e do Fundo Monetário Internacional (FMI), de 2,2%.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, conversa com Teresa Leal Coelho (ausente da foto), presidente da Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, durante a audição na Assembleia da República, Lisboa, 21 de março de 2019.  ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Ramalho: “DG Comp não tem particular simpatia pelos bancos portugueses”

António Tomás Correia, presidente da Associação Mutualista Montepio Geral

( Gustavo Bom / Global Imagens )

ASF inicia processo de avaliação da idoneidade de Tomás Correia

Rodrigo Costa, CEO da REN Fotografia: MÁRIO CRUZ/LUSA

Rodrigo Costa: “Já pagámos 127,5 milhões” de CESE

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Siza Vieira: Greve de estivadores justificou PIB em 2018 abaixo da meta