Economia

Siza Vieira: “Revolução digital ajuda a subir rendimento disponível”

Pedro Siza Vieira, ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital.  Fotografia: Carlos Manuel Martins/Global Imagens
Pedro Siza Vieira, ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital. Fotografia: Carlos Manuel Martins/Global Imagens

Minitro falou no encerramento do Fórum de Gestores Portugueses, na Culturgest.

Melhores condições de vida, mais rendimentos, salários mais altos. Uma revolução digital bem conduzida é capaz de operar milagres numa economia e Portugal só tem a ganhar com isso. Quem o garante é o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, que esta noite encerrou o Fórum de Gestores Portugueses, na Culturgest.

Além de acreditar que “a revolução digital vai ajudar a aumentar o rendimento disponível”, Siza Vieira destaca outros efeitos positivos desta evolução. Por exemplo, “vamos poder aliviar a fatura fiscal das classes médias”, sublinhando ser precisamente por essa camada da população portuguesa “que temos de fazer um esforço”.

Recordando o desenvolvimento do país nos últimos anos, Siza Vieira afirmou que foram “melhoradas as condições para atrair talento internacional e para atrair portugueses que haviam saído do país, alargou-se profissões e atividades graças ao regime de tributação não residencial” – que oferece uma com taxa única de 20% a 10 anos.

“Mais, temos de tratar melhor os nossos trabalhadores, temos de pagar melhor”, sublinhou o ministro, estabelecendo como prioridade aquilo a que mesmo os patrões têm classificado de “salário digno”.

“Quem entrou no mercado de trabalho em 2012 e 2013 zangou-se com o país e muitos saíram, mas agora são âncoras para trazer os amigos para cá. Temos de puxar pelo rendimento do trabalho”, concluiu.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Indústria do calçado. 
Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Portugal regressou ao Top 20 dos maiores produtores de calçado

Sonae Industria

Ações da Sonae Indústria e da Sonae Capital disparam após OPA da Efanor

Alexandre Meireles, presidente da ANJE. Fotografia:  Igor Martins / Global Imagens

ANJE teme que 2021 traga “grande vaga” de falências e desemprego

Siza Vieira: “Revolução digital ajuda a subir rendimento disponível”