Habitação

Só um em cada quatro arrenda casa

IMG_7999-4750-Andres-Flajszer-MANGO-LISBOA copy 1400

Portugal entre os países onde o peso da propriedade é maior, uma tradição transversal ao Sul da Europa

O preço das casas não para de subir, mas mesmo assim a compra continua a ser a grande opção dos portugueses. Com os juros baixos, e a torneira do crédito novamente a jorrar, procurar casa para viver é, para a maioria, em Portugal, sinónimo de comprá-la. Apenas um em cada quatro portugueses escolhe o arrendamento. E os preços mais elevados para aquisição parece não terem grande influência nas decisões: entre 2010 e 2015 a percentagem de arrendatários apenas cresceu 0,4%, mostra um estudo da RentCafé.

A compra de casa em vez de arrendar está longe de ser uma característica apenas portuguesa. Nos países do Sul da Europa, o arrendamento tem fraca adesão. Em Espanha, só 21% arrendam habitação, na Grécia são 24,9% e, em Itália, a percentagem não vai além dos 27,1%. Na Suécia e na Noruega, ser dono da casa onde se mora também é a escolha da grande maioria, mas o arrendamento, ainda assim, é opção de cerca de 30% da população.

“Em 29 de 30 países analisados, a maioria dos habitantes são proprietários”, refere este estudo, onde a Suíça é a grande exceção: mais de metade da população vive em casa arrendada. São 56,6%, depois de um aumento de 1,8%, e de uma redução de 0,33% na população. Os preços do arrendamento na Suíça têm subido na ordem dos 4,5% nos últimos dez anos, enquanto os preços de venda se agravaram 24,3%.
Em Portugal, o preço do arrendamento aumentou 26% no ano passado, mostram dados do portal imobiliário Imovirtual. A maior procura de casas para arrendamento verificou-se em Lisboa, Porto, Sintra, Cascais e Amadora.

A culpa para o desequilíbrio entre compra e arrendamento é, quer para proprietários quer para arrendatários, do regime do arrendamento, que não é suficientemente atrativo para que os proprietários invistam em casas para arrendar. A Associação Lisbonense de Proprietários já alertou para os milhares de casas vazias e fechadas que muitos proprietários mantêm por não verem vantagens fiscais em fazer um contrato de arrendamento.

“Cascais liderou no preço médio por metro quadrado de venda e Lisboa no arrendamento.” Os concelhos mais caros para comprar casa foram Cascais (2410 euros por metro quadrado), Lisboa (1895 euros/m2), Espinho (1850 euros/m2), Albufeira (1747 euros/m2) e Loures (1650 euros/m2).

Já no preço médio para arrendamento, Lisboa ocupou o primeiro lugar, situando-se nos 14 euros por metro quadrado), seguido por Cascais (12,9 euros), Oeiras (10,4 euros), Porto (9,73 euros) e Loures (8,81 euros). Dados da APEMIP, a associação que representa as imobiliárias, mostram que cerca de 50% dos negócios concretizados se situam no intervalo de rendas entre os 300 e os 500 euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Antonoaldo Neves EPA/GUILLAUME HORCAJUELO

TAP contrata mil tripulantes, traz 37 aviões novos e liga o Whatsapp (de graça)

Fotografia: João Girão/Global Imagens

Autoeuropa pode parar a qualquer momento por falta de espaço para os carros

gaspar fmi contas públicas défice dívida

FMI. Dívida mundial atinge máximo histórico de 162 biliões de euros

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Só um em cada quatro arrenda casa