Habitação

Só um em cada quatro arrenda casa

IMG_7999-4750-Andres-Flajszer-MANGO-LISBOA copy 1400

Portugal entre os países onde o peso da propriedade é maior, uma tradição transversal ao Sul da Europa

O preço das casas não para de subir, mas mesmo assim a compra continua a ser a grande opção dos portugueses. Com os juros baixos, e a torneira do crédito novamente a jorrar, procurar casa para viver é, para a maioria, em Portugal, sinónimo de comprá-la. Apenas um em cada quatro portugueses escolhe o arrendamento. E os preços mais elevados para aquisição parece não terem grande influência nas decisões: entre 2010 e 2015 a percentagem de arrendatários apenas cresceu 0,4%, mostra um estudo da RentCafé.

A compra de casa em vez de arrendar está longe de ser uma característica apenas portuguesa. Nos países do Sul da Europa, o arrendamento tem fraca adesão. Em Espanha, só 21% arrendam habitação, na Grécia são 24,9% e, em Itália, a percentagem não vai além dos 27,1%. Na Suécia e na Noruega, ser dono da casa onde se mora também é a escolha da grande maioria, mas o arrendamento, ainda assim, é opção de cerca de 30% da população.

“Em 29 de 30 países analisados, a maioria dos habitantes são proprietários”, refere este estudo, onde a Suíça é a grande exceção: mais de metade da população vive em casa arrendada. São 56,6%, depois de um aumento de 1,8%, e de uma redução de 0,33% na população. Os preços do arrendamento na Suíça têm subido na ordem dos 4,5% nos últimos dez anos, enquanto os preços de venda se agravaram 24,3%.
Em Portugal, o preço do arrendamento aumentou 26% no ano passado, mostram dados do portal imobiliário Imovirtual. A maior procura de casas para arrendamento verificou-se em Lisboa, Porto, Sintra, Cascais e Amadora.

A culpa para o desequilíbrio entre compra e arrendamento é, quer para proprietários quer para arrendatários, do regime do arrendamento, que não é suficientemente atrativo para que os proprietários invistam em casas para arrendar. A Associação Lisbonense de Proprietários já alertou para os milhares de casas vazias e fechadas que muitos proprietários mantêm por não verem vantagens fiscais em fazer um contrato de arrendamento.

“Cascais liderou no preço médio por metro quadrado de venda e Lisboa no arrendamento.” Os concelhos mais caros para comprar casa foram Cascais (2410 euros por metro quadrado), Lisboa (1895 euros/m2), Espinho (1850 euros/m2), Albufeira (1747 euros/m2) e Loures (1650 euros/m2).

Já no preço médio para arrendamento, Lisboa ocupou o primeiro lugar, situando-se nos 14 euros por metro quadrado), seguido por Cascais (12,9 euros), Oeiras (10,4 euros), Porto (9,73 euros) e Loures (8,81 euros). Dados da APEMIP, a associação que representa as imobiliárias, mostram que cerca de 50% dos negócios concretizados se situam no intervalo de rendas entre os 300 e os 500 euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A tecnológica liderada por José Neves continua a apostar em Portugal e abriu um novo escritório em Portugal, desta vez em Braga. REUTERS/Toby Melville

Farfetch dispara na estreia em bolsa

( Pedro Rocha / Global Imagens )

Défice atinge 1,9% até junho. Meta do governo é de 0,7%

Isabel dos Santos. Fotografia: Ed Cropley/Reuters

Isabel dos Santos processa Presidente angolano

Outros conteúdos GMG
Só um em cada quatro arrenda casa