Resultados 2019

Sonae Indústria com prejuízos de 13,4 milhões de euros em 2019

Paulo Azevedo é o presidente do conselho de administração da Sonae Indústria. Fotografia: José Carmo/Global Imagens
Paulo Azevedo é o presidente do conselho de administração da Sonae Indústria. Fotografia: José Carmo/Global Imagens

Aumento de provisões ajudam a explicar parte dos 9,2 milhões de euros de "efeitos não recorrentes" contabilizados em 2019, diz a empresa em comunicado

A Sonae Indústria apresentou um resultado consolidado negativo relativo ao exercício de 2019 de 13,4 milhões de euros, que compara com o lucro de 11 milhões de euros obtido em 2018, foi divulgado na terça-feira.

No comunicado distribuído às redações, o grupo explica a passagem de lucro para prejuízo com a redução dos resultados relativos a empreendimentos conjuntos, provisões registadas no quarto trimestre e a inclusão em 2018 de uma mais-valia devido à venda dos imóveis de uma unidade inativa. Os efeitos “não recorrentes contabilizados em 2019” totalizaram 9,2 milhões de euros, dos quais 7,7 milhões em provisões.

Em consequência, o total dos capitais próprios baixou 8,2 milhões de euros para 127,3 milhões.

No ano passado, o volume de negócios consolidado foi de 230,0 milhões de euros, mais 4,5% que no ano anterior.

Em declarações incluídas no comunicado, o presidente do grupo, Paulo Azevedo, realçou que “o ano de 2019 foi marcado por desafios maiores que o previsto”, exemplificando que, “na América do Norte, a procura de aglomerados de partículas ligeiramente menor e a entrada de nova capacidade resultaram em alguma pressão de preços”.

Já “o negócio de laminados melhorou apesar de estar ainda afetado pelo nível do volume de negócios”, enquanto na Sonae Arauco há “condições de negócio mais difíceis, em particular na Península Ibérica e África do Sul”.

No final do seu texto, Paulo Azevedo referiu-se ao impacto da atual crise sanitária: “O nosso negócio será, sem dúvida, afetado no curto prazo e algumas das nossas operações já tiveram de fechar temporariamente ou estão em vias de o fazer (…). Não obstante o enorme desafio que enfrentamos, estou confiante que temos os recursos e pessoas para mitigar estas dificuldades e por fim ultrapassá-las”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa. JOÃO RELVAS/POOL/LUSA

Centros comerciais e Lojas do Cidadão em Lisboa encerrados até 04 de junho

Fotografia: D.R.

Teletrabalho continua obrigatório para grupos de risco e pais sem escola

Cartões de crédito e débito. Fotografia: Global Imagens

Malparado: 10% das famílias com crédito está em incumprimento

Sonae Indústria com prejuízos de 13,4 milhões de euros em 2019