Crise no Sporting

Sporting: “A SAD não está falida” mas pode entrar em falência técnica

joaoduque

O economista e membro da Comissão de Fiscalização do Sporting alerta que a rescisão de jogadores pode levar a SAD para uma falência técnica.

O economista João Duque, que é membro da Comissão de Fiscalização do Sporting, considera que a SAD leonina não está falida mas pode entrar em falência técnica na sequência das rescisões de contratos por parte de jogadores do clube.

Foram nove os jogadores do Sporting a rescindir com o clube leonino em cisão com a direção liderada por Bruno de Carvalho.

A Comissão de Fiscalização do Sporting suspendeu a direção de Bruno de Carvalho e está marcada uma Assembleia Geral para dia 23 de junho.

“Em termos contabilísticos, pode até acontecer que face a este novo tipo de contingências e face a instruções contabilísticas e normas contabilísticas, o contabilista e os revisores imponham uma redução significativa no ativo, podendo até transformar o capital num capital negativo. Isso não significa a falência. É a chamada falência técnica”, afirmou em declarações à TSF, esta sexta-feira.

Sublinhou que “o mercado não deixa de aperceber deste novo risco, um risco de litigância, jurídico, que pode ter consequências mais ou menos nefastas”.

“De acordo com a atual direção e administração da SAD há uma certeza absoluta que o Sporting tem toda a razão. Portanto, é como se o valor estivesse lá. Mas não está”, afirmou.

Em maio, o governo afastou uma eventual ajuda financeira ao Sporting, caso o clube entrasse em colapso. Ricardo Mourinho Félix, secretário de Estado das Finanças, garantiu ao Dinheiro Vivo que o Estado não irá intervir.

A SAD leonina reestruturou a sua dívida recentemente numa operação que envolveu um alegado perdão de dívida de quase 100 milhões de euros por parte do Millennium bcp e do Novo Banco.

No final de maio, obrigacionistas da SAD do Sporting aprovaram o adiamento do reembolso de uma emissão de dívida e, na semana passada, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários anunciou que travou uma nova emissão de obrigações do Sporting.

Nomeação de Comissão de Gestão para breve

João Duque espera que seja nomeada rapidamente a Comissão de Gestão já que atualmente o clube não tem órgãos de gestão em funções.

“Isto não se pode prolongar indefinidamente”, disse, em declarações à TSF, esta sexta-feira. “Porque há perguntas muito simples: quem autoriza o pagamento dos salários, quem autoriza os pagamentos dos fornecedores?”.

“Por isso é que é importante e fundamental fazer-se a nomeação da Comissão de Gestão. Eu acredito que vai fazer-se nas próximas horas. Não tenho razões para duvidar do contrário”, disse.

Ontem, o Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa aceitou a providência cautelar de Jaime Marta Soares, presidente da mesa da Assembleia Geral (AG) do Sporting, segundo a Lusa. A direção do clube leonino teve de entregar os cadernos eleitorais a Marta Soares para a realização da AG marcada para dia 23 de junho e que vai deliberar a destituição de Bruno de Carvalho.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

(Rui Oliveira / Global Imagens)

Quota de mercado dos carros a gasóleo cai para mínimos de 2003

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Sporting: “A SAD não está falida” mas pode entrar em falência técnica