Indústria Têxtil Vestuário

Springkode quer juntar calçado e têxteis-lar ao vestuário

Reinaldo Moreira,  CEO da Springkode, acompanhado de alguns dos membros da   equipa. Fotografia:  Pedro Granadeiro / Global Imagens
Reinaldo Moreira, CEO da Springkode, acompanhado de alguns dos membros da equipa. Fotografia: Pedro Granadeiro / Global Imagens

A empresa de e-commerce do Porto permite ao consumidor comprar diretamente das fábricas. Conta já com 17 parceiros e quer chegar aos 30.

A Sprinkode, empresa pioneira de e-commerce que liga a indústria têxtil diretamente ao consumidor, quer alargar a sua gama de produtos. Ao vestuário de senhora e de homem, pretende associar o calçado e os acessórios, mas também os têxteis-lar. Indústrias em que Portugal dá cartas no mundo. Criada no Porto, dá visibilidade a parceiros industriais por todo o norte e até já atraiu a atenção da Google, tendo sido convidada a integrar o primeiro programa de aceleração da tecnológica em Portugal, que arranca já a 27 de janeiro.

“Estamos muito focados no crescimento das nossas vendas assentes no marketing digital e podermos aprender com os melhores é simplesmente incrível”, admite Reinaldo Moreira, cofundador e diretor-geral da empresa. Em dezembro, a Sprinkode concluiu, em Londres, o programa de aceleração Dream Assembly, da Farfetch, com toda a visibilidade inerente que trouxe ao projeto junto de investidores internacionais.

Mas o que faz a Springkode? Permite ao consumidor final comprar diretamente nas fábricas, onde as grandes marcas de luxo internacionais vêm produzir as suas coleções, assegurando-lhe o acesso a produtos de elevada qualidade a preços mais competitivos, foi o primeiro objetivo de Reinaldo Moreira quando pensou neste projeto e desafiou Miguel Pinto, também como ele ex-quadro da Sonae, a criar a Springkode, a que se juntou, mais tarde, Francisco Pimentel. Mas quiseram ir mais longe e ajudar a indústria têxtil, a segunda mais poluente do mundo, a diminuir a sua pegada ambiental. E, por isso, todas as peças à venda são produzidas a partir de matérias-primas excedentárias, ajudando a dar utilidade aos stocks que se acumulam.

O projeto arrancou com três fábricas, em 2018, fechou o ano seguinte com 14 e espera, até ao fim do ano, chegar aos 30 parceiros, incluindo unidades industriais estrangeiras, estando em negociações com fábricas espanholas e inglesas. “Desafiamos a confeção a aproveitar todo o know how, expertise e investimentos já realizados em recursos humanos e equipamentos em seu próprio benefício, aproveitando os tempos mortos e as flutuações da procura para rentabilizarem os ativos que já têm”, explica Reinaldo Moreira.

Todos os artigos são criados pelas próprias fábricas e vendidos no marketplace da Springkode, que cobra uma comissão em cima de cada venda e articula a parte logística com as fábricas e a DHL. Cerca de 80% das vendas são feitas em Portugal, mas há clientes por toda a Europa, com particular incidência em Espanha e no Reino Unido.

O ano passado foi o primeiro exercício completo da empresa e a aposta esteve centrada, sobretudo, no crescimento da rede de parceiros. Neste ano, a Springkode espera já chegar aos 300 mil euros de vendas, uma meta “ambiciosa mas alcançável”. A rastreabilidade e a transparência são duas das mais-valias do projeto. Na página da empresa o cliente encontra o preço de produção de cada peça e como se divide esta em termos de custos laborais, de materiais e de impostos. E quanto custaria se fosse vendida numa loja. O terceiro passo é a circularidade, através da reintrodução dos produtos na cadeia de valor quando chegam ao fim da sua vida útil, a que esperam poder aceder já em 2021.

São muitos e variados os clientes da Springkode, mas se tivéssemos que indicar o cliente-tipo, Reinaldo Moreira indica que é uma mulher, de 35 anos, que mora em Lisboa, é formada em psicologia e trabalha na área dos recursos humanos. “É uma pessoa ocupada, com pouco tempo disponível para procurar peças com a relação qualidade-preço que mais lhe agrada. Alguém prático e pragmático, mas que não descura, de todo, o conforto, a elegância e a qualidade”, frisa. Um projeto a que se associou, o ano passado, a estilista Katty Xiomara, que desenvolveu uma coleção cápsula sustentável, produzida pela Bless Internacional. “Correu muito bem, gerou grande interesse por parte dos nossos clientes e dos nossos parceiros, e é uma abordagem que queremos repetir com outros designers. Já temos alguns alinhados, vamos a ver com que frequência iremos fazer estas parcerias”, acrescenta o jovem empresário.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Lisboa,  29/09/2020 - Ursula Von der Leyen, Presidente da Comissão Europeia.
(Paulo Alexandrino/Global Imagens)

Ursula von der Leyen. “Portugal é único e tem agora oportunidades maravilhosas”

Portugal's Prime Minister Antonio Costa speaks during presentation of the European and Portuguese Recovery and Resilience Plans, at Champalimaud Foundation, in Lisbon, Portugal, 29 September 2020. Ursula Von Der Leyen is in Lisbon for a two-day official visit. MÁRIO CRUZ/LUSA

Portugal recorrerá só a subvenções. Empréstimos só quando situação melhorar

ANTONIO COTRIM/ LUSA

Von der Leyen: Instrumento “SURE é um escudo para os trabalhadores e empresas”

Springkode quer juntar calçado e têxteis-lar ao vestuário