INE

Taxa de desemprego deverá ter caído para 6,4% em março

António Costa e Mário Centeno. Fotografia: Mário Cruz/EPA
António Costa e Mário Centeno. Fotografia: Mário Cruz/EPA

A taxa definitiva de fevereiro baixou para 6,5%, menos uma décima que em janeiro.

A taxa de desemprego deverá ter caído para 6,4% da população ativa em março, anunciou o Instituto Nacional de Estatística (INE), esta segunda-feira. A taxa definitiva de fevereiro baixou para 6,5%, menos uma décima que em janeiro.

Este valor de fevereiro é mais alto do que se estimou inicialmente. “Aquele valor representa uma revisão em alta de 0,2 p.p. da estimativa provisória divulgada há um mês”, refere o INE.

O peso do desemprego na população ativa continua assim a bater mínimos, estando no valor mais baixo em cerca de 17 anos. Ou seja, é preciso recuar a agosto de 2002 para encontrar marcas inferiores (6,2%).

O valor definitivo de 6,5% de fevereiro (bem como os 6,4% de março) encontra-se ligeiramente abaixo da média do governo para este ano. No Programa de Estabilidade apresentado há 15 dias por Mário Centeno, o Ministério das Finanças inscreveu uma projeção de 6,6%.

Em todo o caso, o nível de desemprego está atualmente acima da média na qual assenta o Orçamento do Estado para 2019 divulgado em outubro (o governo apontava para 6,3%), o que significa que pode haver alguma pressão para a despesa subir acima do orçamentado.

A incidência do desemprego entre os mais jovens (menos de 25 anos) também está a aliviar. Em janeiro, 18,3% desta camada da população estava sem trabalho, valor que diminuiu para 17,6% em fevereiro e para 16,6% em março (valor provisório). Também este último registo é um mínimo de quase 17 anos.

Fonte: INE

Fonte: INE

No início de 2013, o nível de desemprego atingiu o valor mais elevado de que há registos em Portugal, cerca de 17,4%. Na altura, Portugal estava sob o programa de austeridade do governo PSD-CDS e da troika.

Desde então, que o desemprego tem vindo a cair de forma mais ou menos persistente.

O INE refere ainda que face ao mesmo período do ano passado, o desemprego continua a cair fortemente, a ritmos de dois dígitos.

Em fevereiro de 2019, havia 336,3 mil pessoas sem trabalho, menos 14,1% (ou 55 mil pessoas) relativamente a igual mês de 2018, contabiliza o INE.

“Em março de 2019, a população desempregada – cuja estimativa provisória foi de 332,9 mil pessoas – diminuiu 13,2% (50,8 mil) em comparação com o mês homólogo.”

Emprego cresce pouco mais de 1%

Por seu lado, o emprego está a crescer, embora devagar. Em fevereiro, o emprego total avançou cerca de 1,4% em termos homólogos, para 4,8 milhões.

E em março de 2019, a estimativa provisória da população empregada também apontava para um valor dessa ordem de grandeza (4,8 milhões de pessoas com trabalho), mais 1,1% face ao mesmo mês de 2018.

O emprego está no nível mais alto dos últimos dez anos, segundo os dados do instituto.

O INE explica ainda que Portugal tem mais pessoas ativas e com capacidade de trabalhar porque em termos absolutos a criação de emprego superou a descida do contingente de desempregados.

“Em relação a fevereiro de 2018, o acréscimo da população ativa (11,2 mil) resultou do aumento da população empregada (66,1 mil) ter mais do que compensado o decréscimo da população desempregada (55 mil).”

(atualizado 13h20)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
lisboa casas turismo salarios portugal

Turismo em crise já pensa no day after

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira. TIAGO PETINGA/LUSA

Governo estima que mais de um terço dos empregados fique em lay-off

Mário Centeno, Ministro das Finanças.
Fotografia: Francois Lenoir/Reuters

Folga rara. Custo médio do petróleo está 10% abaixo do previsto no Orçamento

Taxa de desemprego deverá ter caído para 6,4% em março