INE

Taxa de desemprego cai para 6,7% no segundo trimestre, mínimo de 14 anos

O primeiro-ministro, António Costa, na Bolsa de Turismo de Lisboa. Fotografia: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA
O primeiro-ministro, António Costa, na Bolsa de Turismo de Lisboa. Fotografia: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

No segundo trimestre, o emprego aumentou 2,4% em termos homólogos, para quase 4,9 milhões de postos de trabalho, indicou esta quarta-feira o INE.

A taxa de desemprego do segundo trimestre de 2018 desceu para 6,7% da população ativa, o que corresponde ao valor mais baixo dos últimos 14 anos (desde 2004), segundo as séries do Instituto Nacional de Estatística (INE). O desemprego jovem caiu para 19,4%, aquele que é o valor mais baixo desde meados de 2009, mostra o INE.

De acordo com o inquérito ao emprego do segundo trimestre, divulgado esta quarta-feira, em um ano (face ao segundo trimestre de 2017) Portugal perdeu 109,6 mil desempregados, uma descida homóloga de 23,7%. Assim, atualmente haverá apenas cerca de 351,8 mil pessoas sem trabalho.

Destas, 140,6 mil têm menos de 35 anos. E há quase 184 mil desempregados à procura de emprego há um ano ou mais, o chamado desemprego de longa duração. Em todo o caso, ambos os universos reduziram-se de forma significativa (20% a 30% face ao segundo trimestre do ano passado).

A taxa de desemprego total está significativamente abaixo dos 8,6% que foi o valor assumido para fazer o Orçamento do Estado deste ano. No primeiro trimestre, o nível de desemprego já ia em 7,9% e agora baixou ainda mais para os referidos 6,7% no período de abril a junho.

Emprego prolonga tendência positiva desde 2013

A população empregada aumentou 2,4% (mais 113,7 mil) face ao segundo trimestre de 2017, chegando assim aos 4,874 milhões de casos. O INE refere que o emprego prolonga assim “a série de variações homólogas positivas iniciadas no 4.º trimestre de 2013”.

Explica ainda que, em termos homólogos, o reforço da população empregada “ficou a dever-se, essencialmente, ao acréscimo do emprego nos seguintes segmentos populacionais: ambos os sexos, com maior destaque para as mulheres (73,3 mil; 3,2%); pessoas dos 45 aos 64 anos (96,5 mil; 4,9%); que completaram o ensino superior (72,1 mil; 5,9%); empregadas no sector dos serviços (86,9 mil; 2,7%)”.

Metade do emprego criado nos serviços aconteceu nas atividades de educação, onde o emprego cresceu 43,8 mil, mais 11%.

Queda na agricultura, subida forte nos sectores industriais

No entanto, é de notar que o sector “agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca” destoou, tendo o emprego recuado 5,1%, para 315 mil casos. Já o sector “indústria, construção, energia e água” registou um ganho de 3,7% no total de postos de trabalho, que agora superam 1,2 milhões.

Como referido, o sector dos serviços acompanhou de perto, com um crescimento de 2,7% no emprego, consolidando-se assim como o maior sector da economia (3,35 milhões de postos de trabalho).

O INE destaca ainda o contributo maior da criação de trabalho por conta de outrem, modalidade que ganhou mais 133,5 mil pessoas (aumento de 3,4%) e refere que os contratos de trabalho sem termo ajudaram com mais 105 mil casos, uma subida de 3,4%.

Centro e Algarve abaixo da média nacional

De referir ainda que a intensidade do desemprego diminuiu de forma visível em todas as regiões do país. O Centro e o Algarve destacam-se e são agora as regiões com menos desemprego, cerca de 5,3% das respetivas populações ativas. E estão abaixo da média do País.

O Norte e a Grande Lisboa também têm menos desemprego, mas os níveis continuam acima da média nacional. Ambas as regiões têm agora 7,2% dos seus ativos sem trabalho.

A maior descida face ao segundo trimestre acontece nos Açores cuja taxa caiu 2,7 pontos percentuais, para 8,3%. Em todo o caso, continua a ser a maior do País. Logo a seguir vem a Madeira, com um desemprego de 8,2% (que em todo o caso aliviou 1,8 pontos).

Finalmente, o Alentejo. A taxa regional de desemprego também desceu 1,8 pontos, fixando-se agora em 6,9%, ligeiramente acima da média nacional no segundo trimestre.

(atualizado às 12h15)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Vieira da Silva e Cláudia Joaquim
Fotografia: Leonardo Negr‹ão / Global Imagens

Reformas antecipadas: novas regras vão ser aprovadas “brevemente”

Fotografia: REUTERS

Sector da construção exige o fim do Adicional ao IMI

Fotografia: Rodrigo Cabrita/Global Imagens

Frente Comum recusa fim da reforma obrigatória aos 70 anos

Outros conteúdos GMG
Taxa de desemprego cai para 6,7% no segundo trimestre, mínimo de 14 anos