INE

Taxa de desemprego cai para 7,9%, valor mais baixo de quase uma década

António Costa, primeiro-ministro, e Mário Centeno, ministro das Finanças. Fotografia: Maria João Gala / Global Imagens
António Costa, primeiro-ministro, e Mário Centeno, ministro das Finanças. Fotografia: Maria João Gala / Global Imagens

Há agora 410,1 mil pessoas sem trabalho em Portugal, menos 21,7% face há um ano, refere o INE.

A taxa de desemprego do primeiro trimestre deste ano caiu para para 7,9% da população ativa, o valor o mais baixo em quase uma década, indicou esta quarta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE). É preciso recuar ao quarto trimestre de 2008 para encontrar um registo inferior (7,8%). Há um ano, a taxa estava em 10,1%.

Este nível de desemprego ainda está acima dos 7,6% previstos pelo governo no Programa de Estabilidade para o ano de 2018 ou dos 7,7% avançados recentemente pela Comissão Europeia. No entanto, a tendência do desemprego tem sido de descida, pelo que estes valores ainda estarão ao alcance.

No novo inquérito trimestral ao emprego, o INE estima agora que em Portugal existam cerca de 410,1 mil pessoas sem trabalho, o que representa uma redução homóloga significativa do contingente de desempregados: são menos 21,7% (menos 113,8 mil pessoas) do que no primeiro trimestre do ano passado.

O INE refere ainda que “a taxa de desemprego de jovens (15 a 24 anos) foi 21,9%, o valor mais baixo da série iniciada no 1.º trimestre de 2011”. Nessa altura, o desemprego jovem estava em 28%.

Mas colando as várias séries históricas do INE sobre o mercado de trabalho, percebe-se que o nível de desemprego jovem estará no valor mais baixo desde o 2.º trimestre de 2010, quando rondava os 20,7%.

Por regiões, o desemprego está mais intenso na Madeira e nos Açores, sendo mais leve no Centro e no Algarve.

“No 1.º trimestre de 2018, a taxa de desemprego foi superior à média nacional em quatro regiões do país: Região Autónoma da Madeira (9,1%), Região Autónoma dos Açores (8,9%), Área Metropolitana de Lisboa (8,6%) e Norte (8,1%)”, refere o INE.

“Abaixo da média nacional, situaram-se as taxas de desemprego do Alentejo (7,8%), do Algarve (7,6%) e do Centro (6,3%).”

Desemprego em sentido lato também recua

O INE também mede a subutilização do trabalho, conceito que permite ter uma noção mais aproximada do que é o desemprego real ou em sentido lato. Este terá caído de 18,2% no primeiro trimestre do ano passado para 15,2% nos primeiros três meses de 2018, refere o instituto, o que significa que este grupo passou de 986,1 mil para 825,9 pessoas, respetivamente.

Este indicador obtém-se juntando ao desemprego outras situações de marginalidade ou de precariedade no mercado de trabalho: o subemprego de trabalhadores a tempo parcial, os inativos à procura de emprego mas não disponíveis e os inativos disponíveis mas que não procuram emprego (os chamados desencorajados).

Portanto, além dos 410 mil desempregados oficiais, o INE acrescenta que “o subemprego de trabalhadores a tempo parcial abrangeu 199,4 mil pessoas, tendo-se mantido praticamente inalterado face ao trimestre anterior e diminuído 8,9% (19,5 mil) em relação ao trimestre homólogo”.

“O número de inativos à procura de emprego mas não disponíveis para trabalhar foi estimado em
16,8 mil, tendo diminuído 30,4% (7,4 mil) em relação ao 1.º trimestre de 2017” e o “número de inativos disponíveis, mas que não procuram emprego foi estimado em 199,6 mil, tendo diminuído 8,9% (19,5 mil) em relação há um ano”.

Jovens nem-nem na mesma

O INE mede ainda outra situação de risco no mercado de trabalho que é o grupo dos jovens que não estão empregados, nem a estudar, nem em formação. No 1.º trimestre de 2018, do total de 2 222,3 mil jovens (dos 15 aos 34 anos), 10,5% (234,1 mil) estavam nessa situação.

Esta taxa manteve-se inalterada face ao trimestre anterior, diz o INE.

Economia ganha 149 mil empregos num ano

Já o emprego aumentou 3,2%, ou seja, a economia ganhou quase 149 mil postos de trabalho em termos líquidos, neste arranque de ano. Atualmente, Portugal tem à volta de 4,8 milhões de pessoas com emprego. Em todo o caso, a criação de emprego abrandou ligeiramente pois tinha sido 3,5% no último trimestre do ano passado.

O INE refere que o aumento homólogo da população empregada ficou a dever-se, essencialmente, ao acréscimo do emprego entre as mulheres (mais 80,4 mil; 3,5%); entre as pessoas dos 45 aos 64 anos (117,2 mil; 6,1%); e entre os que completaram o ensino secundário ou pós-secundário (85,5 mil; 7,0%).

O sector dos serviços continua a explicar a maioria do emprego criado (106,2 mil; 3,3%).

Nos vínculos, os contratos de trabalho sem termo subiram 105,4 mil ou mais 3,5%. A contratação a prazo avançou 7,1% em termos homólogos (mais 48,5 mil casos).

Os contratos mais precários (outro tipo) — que englobam modalidades como contratos de prestação de serviço (recibos verdes); trabalhos sazonais sem contrato escrito; trabalhos pontuais ou ocasionais — aumentaram mais de 3%, para 140 mil casos.

O trabalho a tempo parcial caiu mais de 6%, para 516,9 mil indivíduos no primeiro trimestre deste ano.

(atualizado às 13h00)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
lisboa

Balcão dos despejos recebeu 294 pedidos por mês. São menos 44 do que em 2017

www.dinheirovivo.ptcombustiveis-7-1-1bb026ceb7a816266a2de2967749df8fd8ec068c-34e8f5d94c782fb8aeedef4aac66cd8f0db5ac96

Combustíveis descem há seis semanas, mas estão mais caros do que em janeiro

Tomás Correia, preside a Associação Mutualista Montepio, dona do Caixa Económica

Tomás Correia. Entrada da Santa Casa fica fechada “em menos de 30 dias”

Outros conteúdos GMG
Taxa de desemprego cai para 7,9%, valor mais baixo de quase uma década