oe2020

Taxa de desemprego nos 5,9% em 2020. A mais baixa em 17 anos

desemprego Marcos Borga Lusa
Foto: D.R.

Desde 2003 que não estava em valores tão baixos. Criação de emprego desacelera para 0,7% em 2020.

O número de portugueses desempregados vai continuar a diminuir e até mais depressa do que o governo estava à espera. A taxa de desemprego deverá descer para 6,3% da população ativa este ano e para 5,9% em 2020, um valor abaixo das previsões que constam do Programa de Estabilidade apresentado em abril.

Na altura, Mário Centeno apontava para uma taxa de desemprego de 6,6% este ano e de 6,3% em 2020, atingindo os 5,9% em 2021. Agora, na atualização das projeções, o valor esperado para daqui a dois anos é antecipado para o próximo.

De acordo com o parecer do Conselho das Finanças Públicas (CFP), “esta evolução está associada com uma dinâmica positiva de criação de emprego, não obstante as taxas de crescimento deste indicador desacelerarem de 2,3% em 2018 para 1,1% em 2019, e para 0,7% em 2020″, assinala.

Já em relação aos salários, a taxa de crescimento da remuneração média por trabalhador em termos nominais deverá acelerar de 2,5% em 2018, para 2,8% em 2019, e novamente para 2,9% em 2020″, descontando a inflação é esperada uma aceleração da remuneração média real por trabalhador em torno de 1,5%, tanto em 2019 como em 2020”, uma taxa de variação que “será superior ao crescimento previsto para a produtividade aparente do trabalho, cuja taxa de variação se deverá situar em 0,8% e 1,2%, nestes dois anos”, indica o CFP.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Lisboa, 22/11/2019 - Money Conference, Governance 2020 – Transparência e Boas Práticas no Olissippo Lapa Palace Hotel.  António Horta Osório, CEO do Lloyds Bank

( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

Horta Osório: O malparado na banca portuguesa ainda é “muito alto”

Outros conteúdos GMG
Taxa de desemprego nos 5,9% em 2020. A mais baixa em 17 anos