INE

Taxa de desemprego termina 2019 a subir com força até 6,7%

O primeiro-ministro, António Costa, e o ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: PATRICIA DE MELO MOREIRA/AFP
O primeiro-ministro, António Costa, e o ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: PATRICIA DE MELO MOREIRA/AFP

Número de pessoas sem trabalho sobe pela primeira vez em seis anos, até 352,4 mil casos no 4º trimestre de 2019, indica o INE.

A taxa de desemprego portuguesa terminou o ano a subir de forma pronunciada após muitos trimestres de queda. Segundo indicou esta quarta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE), o peso do desemprego na população ativa agravou-se de 6,1% no terceiro trimestre para 6,7% no último trimestre do ano passado.

Isto fez com que o número de pessoas sem trabalho aumentasse pela primeira vez em mais de seis anos entre o último trimestre de 2018 e igual período do ano passado.

Escreve o INE que “a taxa de desemprego foi 6,7%, superior em 0,6 pontos percentuais (p.p.) à do trimestre anterior e igual à do trimestre homólogo de 2018”, mas isto traduz-se num aumento trimestral e homólogo do número de desempregados.

Quando se compara a taxa registada nos últimos trimestres de 2018 e 2019 percebe-se que a intensidade do desemprego ficou igual entre os homens (6%), mas que entre as mulheres o peso do desemprego aumentou de 7,3% no quarto trimestre de 2018 e igual período do no passado.

Já a taxa de desemprego jovem (15 a 24 anos) diminuiu 0,4 p.p. para 19,5% e a proporção de desempregados à procura de emprego há 12 e mais meses (longa duração) manteve-se inalterada nos 3,2%.

Mas comparando com o terceiro trimestre de 2019, a intensidade do desemprego entre homens, mulheres e jovens degrada-se visivelmente nestas camadas da população, mostra o INE.

Voltando a comparar os últimos trimestres dos últimos dois anos, tem-se que as duas regiões afetadas pelo alastramento da intensidade do desemprego foram Norte e Grande Lisboa. Em ambas, a taxa de desemprego subiu de 6,7% no quarto trimestre de 2018 para 7,1% no último trimestre de 2019.

As restantes regiões registaram uma descida nas respetivas taxas de desemprego.

Fonte: INE

Fonte: INE

Ritmo do emprego cai para mínimos de três anos e meio

A criação de emprego também está a perder bastante vigor, mostram as estatísticas oficiais. “Em relação ao trimestre homólogo de 2018, a população empregada aumentou 0,5% (24,6 mil pessoas), prolongando a série de variações homólogas positivas iniciada no 4º trimestre de 2013, mas em desaceleração desde o 1º trimestre de 2018”.

Acresce que a subida de 0,5% no último trimestre do ano passado é a mais fraca desde meados de 2016 (dos últimos três anos e meio).

População sem trabalho aumenta pela primeira vez desde meados de 2013

“A população desempregada, estimada em 352,4 mil pessoas, aumentou 9% (mais 29 mil) em relação ao trimestre anterior e subiu 0,9% (mais 3,3 mil desempregados)” em relação a igual trimestre de 2018″, refere o instituto.

Este aumento de quase 1% no contingente de desempregados “interrompe a sequência de decréscimos observados desde o 3º trimestre de 2013”. Isto é, há cerca de seis anos que não havia um aumento do fenómeno em Portugal.

desemprego emprego ine

Fonte: INE

O INE explica que a subida no desemprego afetou sobretudo mulheres e o universo das pessoas com idades entre os 25 e 34 anos, com ensino secundário completo e à procura de primeiro emprego (os que tentam entrar no mercado de trabalho pela primeira vez).

Aquele aumento de quase 1% no desemprego “foi explicado, principalmente, pelos acréscimos nos seguintes segmentos populacionais: mulheres (6,0 mil; 3,2%); pessoas dos 25 aos 34 anos (9,4 mil; 12,8%); pessoas que completaram o ensino secundário e pós-secundário (16,9 mil; 16,1%); à procura do primeiro emprego (3,2 mil; 7,4%); e à procura de emprego tanto há menos de 12 meses (1,7 mil; 0,9%) como há 12 ou mais meses (1,6 mil; 0,9%)”, refere o INE.

Anualmente, ainda disfarça

Em termos anuais (que acaba por ser uma média aproximada dos quatro trimestres), a subida do desemprego na reta final de 2019 acaba por disfarçar.

Segundo o INE, a taxa de desemprego de 2019 foi de 6,5%, tendo diminuído face aos 7% do ano precedente.

A população desempregada também desceu. Caiu cerca de 7,2% (26,4 mil) em relação ao ano anterior, para um total de 339,5 mil pessoas sem trabalho.

No entanto, o nível de desemprego de 2019 como um todo acabou por sair pior do que as previsões do Governo. O Orçamento do Estado de 2019, aprovado no final de 2018, contava com uma taxa de desemprego na ordem dos 6,3%. Afinal, ficou duas décimas acima, nos tais 6,5% confirmados esta quarta-feira.

Em 2019, o emprego aumentou 1% (mais 46,4 mil postos de trabalho em termos líquidos), para 4,9 milhões de pessoas.

(atualizado 13h05)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

1400 empresas já pediram para aderir ao novo lay-off, apoios só a 28 de abril

Algarve, Portugal. Fotografia: D.R.

Algarve lança campanha. “Fiquem em casa para regressarem com mais saudade”

Veículos da GNR durante uma operação stop de sensibilização para o cumprimento do dever geral de isolamento, na Autoestrada A1 nas portagens dos Carvalhos/Grijó no sentido Sul/Norte, Vila Nova de Gaia, 29 de março de 2020. MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Mais de 80 detidos e 1565 estabelecimentos fechados

Taxa de desemprego termina 2019 a subir com força até 6,7%