Taxa de juro no crédito à habitação volta a cair em julho

ng4581616

A taxa de juro dos contratos de crédito à habitação voltou a descer em julho, passando de 1,275% em junho para 1,257% no último mês, prolongando a tendência decrescente dos últimos 11 meses, revelou hoje o INE.

De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), o valor médio da prestação vencida para o conjunto dos contratos de crédito à habitação, fixou-se, em julho, em 241 euros, “igual” ao valor registado em junho.

Já nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro implícita situou-se em 2,453%, tendo diminuído 0,191 pontos percentuais face ao observado em junho, representando “a maior descida desde novembro de 2012”, segundo o INE.

No destino de financiamento ‘aquisição de habitação’, principal destino dos contratos de crédito à habitação, a taxa de juro implícita no conjunto de todos os contratos e para os celebrados nos últimos três meses, situou-se em 1,264% e 2,397%, respetivamente (1,282% e 2,589% em junho, pela mesma ordem).

Para os contratos celebrados nos últimos três meses, o valor médio da prestação registado em julho foi de 311 euros, face aos 319 euros verificados em junho.

Ainda segundo o INE, o valor do capital médio em dívida, para a totalidade dos contratos de crédito à habitação, diminuiu em julho em 57 euros, para 52.512 euros.

Quanto aos contratos celebrados nos últimos três meses, o valor médio do capital em dívida situou-se em 82.588 euros em julho, o que representa uma subida face ao mês de junho (81.444 euros).

A taxa de juro implícita no crédito à habitação reflete a relação entre os juros totais vencidos no mês de referência e o capital em dívida no início desse mês (antes de amortização).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 04 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

Governo vê economia a crescer 4,3% em 2021 e desemprego nos 8,7%

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, durante a conferência de imprensa após a reunião extraordinária da Comissão Permanente de Concertação Social por video-chamada, no Ministério da Economia, em Lisboa, 16 de março de 2020. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Segunda fase do lay-off custa mais de 700 milhões de euros

Jorge Rocha de Matos, presidente da Fundação AIP. Foto: direitos reservados

Rocha de Matos: IVA devia ser de 6% em todos os eventos para ajudar o turismo

Taxa de juro no crédito à habitação volta a cair em julho