Poupança

Taxa de poupança das famílias desce para 5,9% no 2º trimestre

Fotografia: Global Imagens
Fotografia: Global Imagens

Capacidade de financiamento exclusivamente das famílias diminuiu para 1,0% do PIB no segundo trimestre.

A taxa de poupança das famílias desceu para 5,9% do rendimento disponível no segundo trimestre, menos duas décimas que no trimestre anterior, informou hoje o INE, que reviu em alta o valor do primeiro trimestre para 6,1%.

De acordo com as Contas Nacionais Trimestrais por Setor Institucional, hoje divulgadas, a taxa de poupança das famílias “diminuiu para 5,9% do rendimento disponível (6,1% no trimestre anterior), em resultado do aumento de 0,8% da despesa de consumo final superior em 0,1 pontos percentuais (p.p) ao crescimento do rendimento disponível”.

O gabinete de estatísticas nacional explica que “a evolução do rendimento disponível das famílias foi determinada pelo crescimento de 0,8% das remunerações recebidas, que explicam 0,5 p.p. do aumento do rendimento”.

Já o investimento das famílias registou uma taxa de variação de 1,6% no segundo trimestre de 2019, face aos 3,1% registados no trimestre anterior, valor agora revisto uma décima em baixa face ao anteriormente anunciado (3,2%).

De acordo com o INE, a economia registou uma capacidade de financiamento de 0,2% do Produto Interno Bruto (PIB) no ano acabado no segundo trimestre de 2019, o que compara com uma necessidade de financiamento de 0,2% do PIB nos três meses anteriores.

Os mesmos dados mostram que a capacidade de financiamento exclusivamente das famílias diminuiu para 1,0% do PIB no segundo trimestre, menos 0,4 pontos percentuais face aos 1,4% registados no trimestre anterior.

O INE explica que as novas séries anuais das Contas Nacionais Portuguesas determinaram a revisão dos resultados trimestrais, sendo que os dados encadeados em volume têm agora 2016 como ano de referência do encadeamento.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 04 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

Governo vê economia a crescer 4,3% em 2021 e desemprego nos 8,7%

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, durante a conferência de imprensa após a reunião extraordinária da Comissão Permanente de Concertação Social por video-chamada, no Ministério da Economia, em Lisboa, 16 de março de 2020. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Segunda fase do lay-off custa mais de 700 milhões de euros

Jorge Rocha de Matos, presidente da Fundação AIP. Foto: direitos reservados

Rocha de Matos: IVA devia ser de 6% em todos os eventos para ajudar o turismo

Taxa de poupança das famílias desce para 5,9% no 2º trimestre