crédito

Taxa máxima dos cartões de crédito volta a baixar em 2016

A taxa de juro máxima que os bancos vão poder cobrar aos clientes nos primeiros três meses de 2016 nos cartões de crédito voltou a descer, tendo sido fixada em 17,9%. Trata-se do valor mais baixo desde que o Banco de Portugal começou a definir tetos máximos, em 2010.

Aquele patamar de 17,9% vai servir também de referência para as linhas de crédito, contas correntes bancária e facilidades de descoberto, bem como para os casos de ultrapassagens de crédito, segundo revela a informação disponibilizada esta quinta-feira pelo Banco de Portugal.

As taxas de juro máximas nos cartões de crédito situaram-se pela primeira vez abaixo da fasquia dos 20% no segundo trimestre deste ano e têm mantido uma rota descendente desde então. Neste quarto trimestre a taxa anual de encargos efetivos globais (TAEG) foi de 18,4%.

Já quem contrair créditos pessoais (para fazer face a despesas de educação, saúde, energias renováveis ou locação financeira de equipamentos) será confrontado com uma TAEG de 5,3% (menos 0,1 pontos percentuais do que no último trimestre de 2014). A taxa de juro máxima dos restantes tipos de crédito pessoal (sem finalidade específica) vai manter-se inalterado nos 14,8%.

No crédito automóvel, os novos máximos de juros que podem ser praticados vão variar entre os 6,1% (para as contratos de ALD de carros novos) e os 13%, quando em causa está o financiamento de contratos de reserva de propriedade de usados.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
lisboa casas turismo salarios portugal

Turismo em crise já pensa no day after

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira. TIAGO PETINGA/LUSA

Governo estima que mais de um terço dos empregados fique em lay-off

Mário Centeno, Ministro das Finanças.
Fotografia: Francois Lenoir/Reuters

Folga rara. Custo médio do petróleo está 10% abaixo do previsto no Orçamento

Taxa máxima dos cartões de crédito volta a baixar em 2016