Taxa sobre sobre telemóveis e tablets avança para garantir direitos de autor

Jorge Barreto Xavier, secretário de Estado da Cultura
Jorge Barreto Xavier, secretário de Estado da Cultura

O Governo aprovou esta quinta-feira as alterações à Lei da Cópia Privada, cuja proposta foi anunciada pelo executivo em janeiro do ano passado, que vem taxar todos os dispositivos eletrónicos que permitam gravações, como telemóveis, tablets, pens e discos rígidos.

“A nossa estimativa é que as receitas [provenientes desta taxa] variem entre os 15 e 20 milhões de euros, e está prevista uma distribuição dos montantes” pelas entidades gestoras dos direitos de autor, disse Jorge Barreto Xavier, secretário de Estado da Cultura, na conferência de imprensa que se ao Conselho de Ministros.

Segundo o documento, 40% do montante irá para os autores, 30% para os artistas, intérpretes ou executantes e 30% para os produtores de fonogramas e de videogramas.

A Lei da Cópia Privada refere-se a uma compensação equitativa pela reprodução de obras intelectuais, prestações e produtos legalmente protegidos. A quantia destina-se a beneficiar os autores, artistas intérpretes ou executants, editores, produtores fonográficos e videográficos. Com a atualização, é alargado o âmbito de aplicação aos equipamentos de fixação e reprodução digital.

No caso das pens, cartões de memória e discos externos, a taxa será de 6 cêntimos por cada gigabite de capacidade de armazenamento. Já os discos versáteis não regraváveis serão agravados em 3 cêntimos por cada GB, enquanto regraváveis terão uma taxa de 5 cêntimos por cada GB.

Sobre os discos rígidos com capacidade a partir de 150 GB e que permitam o armazenamento de dados em massa, a taxa será de 2 cêntimos por cada GB, mais meio cêntimo por cada GB que acresça a capacidade de 1 terabite.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Foto: DR

Subida de comissões bancárias compensa descida dos spreads

Tesouro italiano coloca milhões a taxas de juros mínimas

Governo italiano aprova resgate de dois bancos à beira da falência

António Serrano, nos estúdios da TSF. Professor catedrático e político português, foi Ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas do XVIII Governo Constitucional de Portugal.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

António Serrano: “É preciso um choque de gestão no território florestal”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Taxa sobre sobre telemóveis e tablets avança para garantir direitos de autor