media

TDT muda a partir de janeiro para dar espaço ao 5G

(Carlos Santos/Global Imagens)
(Carlos Santos/Global Imagens)

O processo será feito de forma faseada e terá uma duração prevista de cinco meses.

A partir de janeiro, e até junho de 2020, a TDT vai ter de mudar para novos canais, para libertar a faixa de frequências dos 700 Megahertz (MHz) que atualmente utiliza e que será necessária para a prestação futura dos serviços 5G.

A informação foi avançada pela ANACOM em comunicado enviado às redações. A Autoridade Nacional de Comunicações refere que “o processo está a decorrer conforme o programado e de acordo com as determinações europeias”, e que as alterações “serão feitas de forma gradual, num processo que demorará cerca de seis meses e que terá início em janeiro, na zona sul do país”.

Será agora a MEO, responsável pelo sinal da Televisão Digital Terrestre, a decidir quais serão as alterações técnicas a introduzir na rede de TDT, a metodologia a utilizar e o respetivo faseamento. Certo é que na segunda quinzena de novembro será realizado um teste piloto, em ambiente limitado, que dará indicações para a metodologia e ações previstas na transição.

O comunicado indica que o processo não terá qualquer impacto numa parte dos utilizadores de TDT, designadamente aqueles que já estão a utilizar os canais 40, 42, 45, 46, 47 e 48, assinalados com asterisco no mapa em anexo, uma vez que estes se vão manter em funcionamento. Apenas os utilizadores que estão a usar o canal 49, 54, 55 ou 56 terão de proceder à ressintonia dos seus equipamentos recetores, não sendo necessária a reorientação das respetivas antenas de receção.

“A ANACOM considera essencial assegurar um apoio eficaz aos utilizadores, que privilegie o esclarecimento e a resolução de eventuais dificuldades, importando para o efeito assegurar diversos canais de atendimento aos cidadãos”, indica o organismo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Défice externo até julho agrava-se para 1633 milhões de euros

Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Défice externo até julho agrava-se para 1633 milhões de euros

EDP. (REUTERS/Eloy Alonso)

Concorrência condena EDP Produção a multa de 48 milhões

Outros conteúdos GMG
TDT muda a partir de janeiro para dar espaço ao 5G