media

TDT muda a partir de janeiro para dar espaço ao 5G

(Carlos Santos/Global Imagens)
(Carlos Santos/Global Imagens)

O processo será feito de forma faseada e terá uma duração prevista de cinco meses.

A partir de janeiro, e até junho de 2020, a TDT vai ter de mudar para novos canais, para libertar a faixa de frequências dos 700 Megahertz (MHz) que atualmente utiliza e que será necessária para a prestação futura dos serviços 5G.

A informação foi avançada pela ANACOM em comunicado enviado às redações. A Autoridade Nacional de Comunicações refere que “o processo está a decorrer conforme o programado e de acordo com as determinações europeias”, e que as alterações “serão feitas de forma gradual, num processo que demorará cerca de seis meses e que terá início em janeiro, na zona sul do país”.

Será agora a MEO, responsável pelo sinal da Televisão Digital Terrestre, a decidir quais serão as alterações técnicas a introduzir na rede de TDT, a metodologia a utilizar e o respetivo faseamento. Certo é que na segunda quinzena de novembro será realizado um teste piloto, em ambiente limitado, que dará indicações para a metodologia e ações previstas na transição.

O comunicado indica que o processo não terá qualquer impacto numa parte dos utilizadores de TDT, designadamente aqueles que já estão a utilizar os canais 40, 42, 45, 46, 47 e 48, assinalados com asterisco no mapa em anexo, uma vez que estes se vão manter em funcionamento. Apenas os utilizadores que estão a usar o canal 49, 54, 55 ou 56 terão de proceder à ressintonia dos seus equipamentos recetores, não sendo necessária a reorientação das respetivas antenas de receção.

“A ANACOM considera essencial assegurar um apoio eficaz aos utilizadores, que privilegie o esclarecimento e a resolução de eventuais dificuldades, importando para o efeito assegurar diversos canais de atendimento aos cidadãos”, indica o organismo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
TDT muda a partir de janeiro para dar espaço ao 5G