Emprego

Tecnologia: Profissionais de topo podem ganhar até 95 mil por ano

Tecnologia

Um novo estudo confirma que os profissionais do setor tecnológico têm salários acima da média nacional, embora em Lisboa se ganhe mais que no Porto.

É um segredo mal escondido. Em Portugal, as empresas têm crescentes dificuldades em encontrar profissionais que trabalhem na área de tecnologia. O número de tecnológicas em Portugal tem estado a crescer; além das empresas com ADN nacional, há também muitas multinacionais que estabelecerem centros de competências, criado dezenas de novos postos de trabalho. A lei da oferta e da procura entra em vigor neste mercado o que faz com que os salários pagos no setor superam e muito a remuneração média em Portugal, que está na casa dos 900 euros.

Um designer de UX/UI em início de carreira, tendo até três anos de experiência, pode ganhar em Lisboa entre 17 mil e 25 mil euros brutos anuais, uma média entre 1500 euros e quase 1800 euros mensais (14 meses). Estes dados pertencem a um estudo da Landing.Jobs, plataforma para recrutamento na área tecnológica, com base em mil ofertas publicadas nesta plataforma no ano passado, cerca de 850 das quais em Lisboa. Com mais de cinco anos de experiência, estes profissionais podem ganhar entre 22 mil e 38 mil euros anuais.

Contudo, estas não são as funções mais comuns em Portugal. As áreas de Full-stack Developer com até três anos de experiência ganha entre 24 mil e 30 mil euros brutos anuais, sendo que a remuneração sobe até aos 40 mil euros brutos (quase 2900 euros por mês) – no máximo – com até cinco anos de experiência. Na área de Back-end Developer os salários iniciais pode ir entre os 22 mil e os 30 mil, sendo que os profissionais com mais de cinco anos de carreira podem ganhar até 55 mil euros por ano (perto de quatro mil euros mensais). Na área de project manager a realidade não é muito diferente: até três anos entre os 20 mil e os 35 mil euros, evoluindo para os 40 a 50 mil por ano com mais de cinco anos de experiência.

Mas é nos cargos de liderança que os salários são mais elevados. Um head of engineering com até três anos no cargo, na zona de Lisboa, aufere em termos anuais entre 40 a 50 mil euros. Com mais de cinco anos de experiência, o salário dá um salto para entre os 70 e 90 mil euros anuais brutos (entre cinco mil e 6400 euros) . Um Chief Technology Officer (CTO) com três anos de experiência ganha entre 55 mil euros e 59.500 euros. E se estiver há mais de cinco anos no cargo, aufere até um máximo de 95 mil euros (quase 6800 euros mês).

“Em relação a dados recolhidos no ano anterior, verifica-se um aumento de cerca de 10% no salário médio. O maior crescimento registou-se nas posições ligadas à gestão e destaca-se ainda o aumento dos salários em posições de back-end, mobile e data science”, explica Maria Tolentino, responsável da Landing.Jobs pelo mercado português, em comunicado enviado às redações.

José Paiva, CEO da Landing.Jobs, considera que é “fundamental que as empresas estejam informadas e acompanhem esta evolução do mercado para que, face à procura de profissionais deste setor, possam tornar-se ou manter-se competitivas no ecossistema”. “Os salários podem ser decisivos para atração e retenção de talento e é importante que as empresas tenham estas questões em consideração”.

O facto de a maioria das ofertas serem para a região de Lisboa confirma que área metropolitana da capital continua a ser o principal ‘ponto de encontro’ para empresa tecnológicas no país. “Este dado mostra que Lisboa continua a ser o maior hub tecnológico do país e o local de referência para desenvolvimento em Portugal”, sublinha Maria Tolentino. Os intervalos salariais para ofertas de emprego no Porto podem ser 5% a 10% inferiores.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

1400 empresas já pediram para aderir ao novo lay-off, apoios só a 28 de abril

Antonoaldo Neves, presidente executivo da TAP. Fotografia: Adelino Meireles/Global Imagens

TAP também vai avançar com pedido de layoff

EPA/MIGUEL FIGUEIREDO LOPES

Mais de 90% querem ver estado de emergência prolongado

Tecnologia: Profissionais de topo podem ganhar até 95 mil por ano