Coronavírus

Teletrabalho continua obrigatório para grupos de risco e pais sem escola

Fotografia: D.R.
Fotografia: D.R.

Exceção ao Código do Trabalho, a partir de segunda, abrange imunodeprimidos, doentes crónicos, pais de menores sem aulas e portadores de deficiência.

A partir da próxima segunda-feira, o recurso ao teletrabalho deixa na maioria dos casos de obedecer à legislação extraordinária que até aqui se mantinha em vigor no estado de calamidade e passa a ter de cumprir os requisitos exigidos pelo Código do Trabalho. Ou seja, passa a exigir acordo entre as partes contratualizado.

O governo vai no entanto manter o teletrabalho obrigatório para imunodeprimidos, doentes crónicos, pais com menores até 12 anos sem aulas ou portadores de deficiência significativa, e ainda para trabalhadores portadores de deficiência, anunciou esta sexta-feira o primeiro-ministro, António Costa, após reunião do Conselho de Ministros para aprovar as regras da chamada próxima fase de desconfinamento, a partir de junho.

O teletrabalho obrigatório significa que as empresas são obrigadas a aceitar a decisão do trabalhador nestes casos, podendo este optar por trabalhar presencialmente se assim quiser.

O líder do governo acrescentou ainda uma quarta situação em que poderá ser imposto o teletrabalho nas empresas: quando a Direção Geral de Saúde considerar que as condições de trabalho não reúnem as recomendações de saúde e segurança.

Em comunicado, o governo esclarece as exceções com maior detalhe. “Elimina-se a regra da obrigatoriedade do teletrabalho enquanto regime de organização do trabalho, mantendo-se exclusivamente nas seguintes situações: i) trabalhador que mediante certificação médica, se encontre abrangido pelo regime excecional de proteção de imunodeprimidos e doentes crónicos; ii) trabalhador com grau de incapacidade igual ou superior a 60%; iii) trabalhador com filho ou outro dependente a cargo menor de 12 anos ou com deficiência ou doença crónica que necessite de prestar assistência decorrente de suspensão de atividades letivas e não letivas presenciais; iv) quando os espaços físicos e a organização do trabalho não permitam o cumprimento seguro das orientações da DGS e da ACT”.

Além destas exceções, onde a decisão unilateral do trabalhador poderá continuar a impor o teletrabalho, há outras já permitidas pelas leis laborais: casos das vítimas de violência doméstica e dos pais com filhos até três anos.

Para os restantes trabalhadores, a ideia do governo, sem obrigatoriedade, é que as empresas implementem turnos desfasados em espelho, o que implicará a manutenção do teletrabalho de forma parcial. O governo não esclareceu ainda como se aplica este regime misto, mas também aqui as regras deverão ser aquelas que prevê o Código do Trabalho. Ou seja, adendas contratuais por mútuo acordo que estabeleçam as condições em que é executado o teletrabalho.

Atualizado com mais informação às 19h21

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
7. Aeroporto de Londres Heathrow

Oficial. Portugal fora do corredor turístico do Reino Unido

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Decisão do Reino Unido é “absurda”, “errada” e “desapontante”, diz Santos Silva

O primeiro ministro, António Costa.     MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

António Costa admite despedimentos na TAP com menos rotas e aviões

Teletrabalho continua obrigatório para grupos de risco e pais sem escola