Greve dos motoristas

Tentativa de “extinguir sindicato” preocupa BE

A coordenadora nacional do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, e Mariana Mortágua, na bancada do BE na AR. 
TIAGO PETINGA/LUSA
A coordenadora nacional do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, e Mariana Mortágua, na bancada do BE na AR. TIAGO PETINGA/LUSA

BE considera grave ação tomada "depois de se ter esvaziado o direito à greve".

“O Bloco de Esquerda manifesta a sua preocupação com o processo hoje iniciado com vista à extinção do SNMMP.”

A reação do partido liderado por Catarina Martins foi esta tarde enviada ao Dinheiro Vivo, depois das notícias de que o Ministério Público está a avançar com uma ação pedindo a dissolução do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) por irregularidades relacionadas com a presença no sindicato do advogado Pedro Pardal Henriques. (Leia aqui o que alega o MP)

O partido, um dos que garantem apoio parlamentar ao governo socialista, vinca mesmo que “o processo hoje anunciado e a sua oportunidade têm uma coincidência perversa com um pré-aviso de greve que não se pode ser ignorada”.

Recorde-se que, depois de a greve por tempo indeterminado de agosto ter sido levantada com vista a arrancar com negociações entre patrões e sindicato, e sem que as duas partes, essencialmente divididas por 50 euros, consigam desbloquear um acordo, o SNMMP avançou com novo pré-aviso. A próxima paralisação está neste momento marcada para acontecer entre os dias 7 e 22 de setembro.

Leia mais aqui sobre o que separa os patrões e o sindicato

“Independentemente da verificação por parte da DGERT ou de outras autoridades de irregularidades ou de vícios legais que existam nos atos de constituição deste como de outros sindicatos, o que não pode acontecer é, à boleia deste caso e depois de ter esvaziado o direito à greve com a generalização de serviços máximos e com a banalização da requisição civil, pretender-se agora cavalgar algum aspeto irregular para comprimir as liberdades sindicais”, considera agora o BE.

Apesar de tudo, Pardal Henriques e o SNMMP garantem que, a existir, a irregularidade será sanada e a greve acontecerá, ao contrário das pretensões de André Almeida, representante da Antram, que exigia ainda esta tarde que a greve fosse “imediatamente desconvocada”.

“O direito à greve e a liberdade sindical são pilares do nosso regime democrático, cuja erosão significa um desgaste da própria democracia”, sublinha ainda o Bloco, ao Dinheiro Vivo. com Joana Petiz

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Tentativa de “extinguir sindicato” preocupa BE