OE2019

Teodora Cardoso acusa Centeno de “falta de transparência” no orçamento

Teodora Cardoso. vai ser substituída por Nazaré Costa Cabral. Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA
Teodora Cardoso. vai ser substituída por Nazaré Costa Cabral. Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Défice baixa sobretudo porque a economia continua a melhorar. Redução na despesa com juros e dividendos do BdP e da CGD também ajudam.

O Conselho das Finanças Públicas (CFP) queixa-se de que não está a conseguir fazer bem o seu trabalho de avaliação à proposta de Orçamento do Estado de 2019 (OE2019) porque o Ministério das Finanças (MF) não envia toda a informação necessária, sendo que nalguns casos nem responde aos pedidos da entidade presidida por Teodora Cardoso.

Embora não coloque em causa a meta do défice público de 0,2% do produto interno bruto (PIB) em 2019, o CFP diz que a análise que fez ao OE2019, divulgada esta terça-feira, foi “prejudicada por insuficiências de transparência orçamental nos documentos que acompanham a proposta, bem como por dificuldades na obtenção de informação relevante adicional junto do MF de uma forma completa e tempestiva”.

Estes reparos ocupam uma parte significativa do sumário executivo, que no fundo resume as principais preocupações ou pontos a reter na análise feita pelo Conselho.

“A formulação e quantificação das medidas de política no Relatório da proposta de OE2019 constitui um problema que o CFP tem recorrentemente identificado e que persiste, reduzindo a transparência do processo orçamental”.

Maiores opacidades

Para a entidade que fiscaliza as contas públicas, “a ausência de uma apresentação clara, sistematizada e suficientemente especificada é particularmente significativa nos casos: das receitas e despesas associadas à aplicação de fundos estruturais; na quantificação das poupanças associadas à medida de revisão da despesa, que agrega efeitos que não decorrem de medidas de política e outros que deveriam ser considerados no cenário base (decorrentes da demografia, por exemplo); na identificação das poupanças com juros que dependem de novas medidas de política”.

O défice à boleia da economia

Apesar destes reparos, o Conselho de Teodora Cardoso não levanta grandes dúvidas sobre a meta de défice de Centeno, de 0,2% do PIB no final de 2019, mas diz que boa parte da “melhoria” do saldo orçamental entre 2018 e o próximo ano só acontece porque a economia continua a ajudar. Não é tanto mérito direto da gestão orçamental do governo.

“A Proposta de Orçamento do Estado para 2019 (POE/2019) mantém o objetivo do défice de 0,2% do PIB para 2019 avançado em abril (correspondendo a 385 milhões de euros), uma redução de 1071 milhões de euros em relação ao estimado pelo Ministério das Finanças para 2018”, começa por dizer o CFP.

No entanto, “a melhoria do saldo orçamental continua a depender dos efeitos da conjuntura económica, da redução da despesa com juros, de dividendos a receber do Banco de Portugal e da Caixa Geral de Depósitos e da redução de apoios ao sector financeiro”, enumera a entidade.

Além disso, “tanto os juros como a conjuntura encontram-se, por natureza, sujeitos a flutuações que as políticas nacionais só limitadamente podem influenciar, mas cujos efeitos devem estar preparadas para atenuar”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
fitch rating dívida riscos políticos

Taxa de juro da nova dívida cai para mínimo histórico de 1,8% em 2018

Fotografia: REUTERS/ Carlos Barria

China põe marcas de luxo a bater recordes

notas

Crédito cresce nas famílias mas ainda encolhe nas empresas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Teodora Cardoso acusa Centeno de “falta de transparência” no orçamento