CFP

Teodora Cardoso: “Não vai ser fácil” atingir défice previsto em 2017

A presidente do Conselho de Finanças Públicas, Teodora Cardoso. Foto: ANTÓNIO COTRIM/LUSA
A presidente do Conselho de Finanças Públicas, Teodora Cardoso. Foto: ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Fundo Monetário Internacional também dúvida do défice do próximo ano, prevendo que o mesmo seja de 2,1%, contra os 1,6% previstos pelo governo

A presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP), Teodora Cardoso, acha que será difícil para o governo conseguir um défice abaixo de 2% no próximo ano, isto quando o executivo antecipa fechar as contas de 2017 com saldo de -1,6%.

Apesar das dúvidas, o Conselho de Finanças Públicas ainda não fez cálculos que lhe permitam avançar com projeções mais concretas, à imagem daquelas esta semana publicadas pelo Fundo Monetário Internacional, em que este antecipou um défice de 2,1% nas contas portuguesas do próximo ano.

Em entrevista a publicar na próxima segunda-feira pelo “Jornal de Negócios”, e que será transmitida este domingo pela “Antena 1”, a economista detalha que identifica riscos tanto do lado da despesa como do lado da receita e que, no final das contas, tudo vai depender da evolução do investimento, exportações e do impacto do congelamento da despesa.

Ler também: CFP. Cenário macroeconómico tem projeções “estatisticamente plausíveis

Segundo antecipa o Jornal de Negócios na edição online, para Teodora Cardoso “há riscos na gestão da despesa por assentar numa perspetiva de curto prazo e confiar no congelamento de despesas. Do lado da receita também há otimismo, ainda que não exagerado”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Carlos Costa, governador do Banco de Portugal Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Guerra comercial generalizada rouba 2,5% à economia portuguesa até 2020

parlamento

CDS-PP: “A austeridade não acabou. Mudou-se para a bomba de gasolina”

exportacoes

BBVA: Economia portuguesa continua a desacelerar no 2.º trimestre

Outros conteúdos GMG
Teodora Cardoso: “Não vai ser fácil” atingir défice previsto em 2017