Teodora Cardoso: Propostas do FMI para cortar despesa ainda são superficiais

Teodora Cardoso comentou o pós-troika
Teodora Cardoso comentou o pós-troika

A reforma do Estado não deve estar limitada a fevereiro, quando o Governo entrega propostas para cortar 4.000 milhões de euros na despesa, considerou hoje Teodora Cardoso, adiantando que as propostas do FMI neste aspeto ainda são superficiais.

“Para este efeito não podemos estar limitados a fevereiro”, afirmou a presidente do Conselho de Finanças Públicas, à margem da conferência para uma Reforma Abrangente da Organização e Gestão do Setor Público, que decorre em Lisboa.

Questionada pelos jornalistas se considerava cegos os cortes sugeridos pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) na análise feita a pedido do Governo sobre a reforma do Estado, Teodora Cardoso diz que muitas das reformas sugeridas no passado foram de facto cegas e que “algumas das medidas neste estudo tem um pouco mais de fundamento, mas ainda muito superficial”.

Teodora Cardoso considera que não é necessariamente imperativo que se reduza o peso do Estado na economia, desde que se adeque o nível de impostos para que consigam financiar este esforço.

A ex-administradora do Banco de Portugal afirma ainda que os políticos têm de mudar a forma como funcionam para evitar colocar em causa a sustentabilidade das finanças públicas do país.

“Os políticos têm de fazer um esforço para no fundo funcionarem de outro modo, não é apenas o ciclo político e o ciclo eleitoral que está em causa”, afirmou.

Teodora Cardos considera ainda que apesar da Constituição da República definir um conjunto de direitos, esta “tem também de proporcionar os meios” para que se possam proporcionar estes direitos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Orçamento suplementar mantém despesa de 704 milhões de euros para bancos falidos

Jorge Moreira da Silva, ex-ministro do ambiente

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Acordo PS-PSD. “Ninguém gosta de um planalto ideológico”

Mario Draghi, presidente do BCE. Fotografia: Reuters

Covid19. “Bazuca financeira tem de fazer mira à economia, desigualdades e clima”

Teodora Cardoso: Propostas do FMI para cortar despesa ainda são superficiais