Imobiliário

Terceiro lote do Braço de Prata arranca com mais vendas a portugueses

Prata Riverside Village-min

Construção do terceiro lote ainda não começou mas já há casas reservadas. Portugueses são principais clientes do “projeto do século”.

Já lá mora gente mas o projeto ainda agora começou. Nas próximas semanas arranca a construção do Lote 1, o terceiro de 12 edifícios projetados para o Prata Riverside Village, o mega empreendimento que está a nascer na freguesia lisboeta de Marvila.

A pré-comercialização dos apartamentos já começou e em poucas semanas foram reservadas cerca de 20 das 107 casas daquele que é, até agora, o maior lote do projeto. Os imóveis estarão prontos a habitar no primeiro trimestre de 2021. Os preços oscilam entre os 285 mil e um milhão de euros.

Os valores não têm sido entrave para as famílias portuguesas. Ao que o Dinheiro Vivo apurou, os compradores do Prata Riverside Village são quase todos de nacionalidade portuguesa.

No Lote 8, já construído e habitado, 61% dos 28 proprietários são portugueses. O Lote 7, cuja construção deverá estar finalizada no verão do próximo ano, entre vendas e pré-reservas tem para já garantidos 79% de moradores de nacionalidade portuguesa. Aqui, os valores dos 40 apartamentos começam nos 440 mil euros e vão até 1,9 milhões.

No ano passado, as vendas do Prata Riverside Village fizeram disparar em 80% o preço do metro quadrado em Marvila, conhecida por ser uma das freguesias mais acessíveis da capital.

Porém, aquele que é considerado pela promotora VIC Properties como “um dos projetos imobiliários do século em Portugal” foi tido desde o início pelos construtores como um projeto destinado à classe média nacional e não apenas ao segmento de luxo.

Mas no empreendimento desenhado pelo arquiteto italiano Renzo Piano também se falam outras línguas. Entre os proprietários contam-se investidores alemães, chineses, brasileiros e angolanos. Começam a surgir também turcos e ingleses.

Quando estiver pronto, o Prata Riverside Village terá acrescentado cerca de 700 apartamentos à zona ribeirinha de Lisboa, mais escritórios e comércio, numa área equivalente a 13 campos de futebol.
O espaço do projeto cresce para mais do dobro contando com o terreno adjacente ao Braço de Prata que a VIC adquiriu em junho ao Novo Banco, num negócio que, segundo o Jornal Económico, custou 140 milhões de euros à promotora.

Além das 700 casas do Riverside Village, serão construídos mais dois mil apartamentos no terreno da Matinha. O objetivo é ligar o Braço de Prata ao Parque das Nações, numa obra que vai “requalificar uma área estagnada de Lisboa e responder à escassez de novas habitações” na cidade, sublinharam os promotores quando foi anunciado o negócio.

Antes de arrancarem as obras ainda terão de ser descontaminados os solos dos terrenos da Matinha.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Euronext Lisboa. Fotografia: Global Imagens

Menos de metade das cotadas entregaram planos para igualdade

Euronext Lisboa. Fotografia: Global Imagens

Menos de metade das cotadas entregaram planos para igualdade

Combustíveis

Petróleo sobe em flecha. “Não haverá impacto perturbador nas nossas algibeiras”

Outros conteúdos GMG
Terceiro lote do Braço de Prata arranca com mais vendas a portugueses