internacionalização

Têxtil português promove-se em Espanha, Alemanha, EUA e países nórdicos

Fotografia:  Gonçalo Delgado / Global Imagens
Fotografia: Gonçalo Delgado / Global Imagens

Indústria atingiu os cinco mil milhões de euros de exportações em 2016, antecipando, assim, o objetivo estratégico definido para 2020

Espanha, Alemanha, países nórdicos e EUA são os “mercados estratégicos” definidos, este ano, pela Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP) para promover a imagem daquela indústria, dado o “grande potencial de desenvolvimento” das exportações ali detetado.

Em comunicado, a ATP adianta que o programa de reforço da imagem do têxtil e vestuário português – designado Fashion from Portugal – promoverá, preferencialmente, os subsetores das marcas, moda e design, do private label (produção com a marca de outra empresa) e do têxtil-lar.

Segundo explica, as ações de comunicação a desenvolver no âmbito deste programa “serão preferencialmente coordenadas com feiras têxteis e de moda que a ATP, em consórcio com a Associação Seletiva Moda, já organiza”, de forma a “amplificar os efeitos da presença comercial de empresas do setor nessas mostras e nesses mercados”.

Entre as ações a organizar, destaque para os editoriais de moda e publicidade em revistas especializadas, a colocação de outdoors junto dos recintos das feiras e intervenções “mais transversais” em revistas temáticas e vídeos. O objetivo central é “promover de forma coerente, organizada e consequente a nova e valorizada imagem da fileira da moda têxtil nacional”.

No caso de Espanha – que se destaca como o principal cliente da indústria têxtil e vestuário portuguesa, ao absorver 36% das respetivas exportações, num valor anual superior a 1,8 mil milhões de euros – o “Fashion from Portugal” é esta sexta-feira apresentado oficialmente na MOMAD Metropolis, em Madrid, e dias 22 e 23 na BSTIM, em Igualada, depois de ter já participado em julho passado no San Sebastian Showroom, em San Sebastian.

Uma aposta que a ATP justifica com o facto de as vendas para Espanha estarem “em permanente e sólido crescimento, revelando que ainda há mercado para ser conquistado”.

Por outro lado, refere a associação, a Espanha é o principal fornecedor têxtil e vestuário de Portugal, com vendas na ordem dos 1,6 mil milhões de euros que expressam “a forte presença das marcas espanholas no mercado doméstico português”.

Segundo recorda a ATP, as exportações da indústria têxtil e vestuário portuguesa somaram cinco mil milhões de euros em 2016, antecipando o “objetivo estratégico” que o setor tinha traçado para 2020 e representando 70% do volume de negócios de 7,2 mil milhões de euros do setor.

Como resultado, o setor terminou o ano com um saldo líquido anual da balança comercial de mais de 1,1 mil milhões de euros.

Um valor que, salienta, “só tinha sido obtido no início da primeira década do século” e ilustra como a indústria têxtil e vestuário portuguesa conseguiu “reconverter e modernizar o seu tecido empresarial” de forma a alcançar “os melhores resultados agora com metade das empresas e trabalhadores que então possuía”.

“Atualmente a indústria têxtil e vestuário portuguesa organiza-se num ‘cluster’ dinâmico, essencialmente localizado na região litoral Norte do país, onde se podem encontrar empresas de todos os subsetores da fileira — fiações, tecelagens, acabamentos, malhas, confeção, têxteis-lar e têxteis técnicos – que funcionam de forma complementar e sinérgica, apoiadas por um desenvolvido sistema científico e tecnológico, no qual se destacam o Centro Tecnológico da Indústria Têxtil e Vestuário (CITEVE ) e o Centro de Nanotecnologia e Materiais Avançados (CENTI )”, refere a associação.

Como “pilares da nova realidade da indústria têxtil e vestuário portuguesa” a ATP aponta a moda, o ‘design’, a inovação tecnológica, a logística e a internacionalização das empresas que, destaca, nas duas últimas décadas transformaram o paradigma “do preço para o valor” e aproveitaram a proximidade geográfica e cultural aos principais clientes para apostarem numa “resposta rápida e flexível” que atualmente lhe permite oferecer “o lead time [tempo de entrega] mais curto do mundo, entre as duas e as seis semanas”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Inspeção Geral das Finanças tem inquérito a decorrer.

IGF detetou ilegalidades de 1900 milhões de euros em 2016

Patrick Drahi lidera grupo Altice. Fotografia: Filipe Amorim/Global Imagens

Acionistas da dona do Meo apresentam queixa por “informação falsa ou enganosa”

Fotografia: JOSÉ COELHO/LUSA

OE2018: Aprovado aumento extraordinário de 6 ou 10 euros nas pensões

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Conteúdo TUI
Têxtil português promove-se em Espanha, Alemanha, EUA e países nórdicos