Código de Trabalho

Trabalhar no último mês de gravidez é tão prejudicial como fumar

Aplicação monitoriza vida da grávida
Aplicação monitoriza vida da grávida

As mulheres que passam o último mês de gravidez a trabalhar têm filhos com menos 230g, em média, do que as que descansam na recta final da gravidez.

Um estudo da Universidade de Essex, no Reino Unido, concluiu, concluiu que as mulheres grávidas que trabalham além dos 8 meses de gravidez têm filhos com menos peso. Os especialistas asseguram que trabalhar

além dos 8 meses de gravidez é tão prejudicial para o bebé como fumar.

Os investigadores dizem que as mulheres que páram de trabalhar entre o 6º e o 8º meses de gravidez têm mais possibilidades de ter bebés mais pesados.

O estudo reúne resultados de três outros estudos, dois realizados no Reino Unido e um terceiro, feito nos Estados Unidos. As conclusões do estudo apontam ainda para o facto de as mulheres grávidas com baixos níveis de escolaridade serem especialmente beneficiadas por pararem de trabalhar mais cedo durante o terceiro trimestre de gravidez.

O estudo avaliou as gravidezes de 17483 mulheres que tiveram bebés entre 2000 e 2001 e ainda outro grupo de 12166 grávidas, que tiveram filhos entre 1970 e 1995.

Marco Francesconi, líder da equipa de investigação, afirma que os governos deveriam pensar em incentivos para os empregadores de maneira a tornarem mais flexível o período de licença de maternidade, para permitir às mulheres deixarem o trabalho algum tempo antes de terem os bebés.

“Sabemos que o baixo peso ao nascer é um dos fatores que mais condiciona o que acontece depois, incluindo menos probabilidades de ter sucesso na escola e maior mortalidade. É preciso pensar seriamente sobre a licença parental porque – tal como o estudo sugere – os benefícios possíveis no caso de aumentar a licença para antes de o bebé nascer são bastante elevados.”, acrescentou o especialista.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
coronavirus lay-off trabalho emprego desemprego

Empresas com quebras de 25% vão poder pedir apoio à retoma

Balcão da ADSE na Praça de Londres em Lisboa.

( Jorge Amaral/Global Imagens )

ADSE quer 56 milhões do Orçamento do Estado por gastos com isentos

Fotografia: Miguel Pereira / Global Imagens

Quase 42 mil empresas recorreram a apoios que substituíram lay-off simplificado

Trabalhar no último mês de gravidez é tão prejudicial como fumar