aviação

Transavia centra no Porto o maior investimento de 2016

Nathalie Stubler, CEO da Transavia France desde 1 de fevereiro de 2016, anunciou aposta da companhia "low cost" no Porto.
Foto: Rui Oliveira  / Global Imagens
Nathalie Stubler, CEO da Transavia France desde 1 de fevereiro de 2016, anunciou aposta da companhia "low cost" no Porto. Foto: Rui Oliveira / Global Imagens

Rota Porto-Paris terá quatro voos diários no verão, sendo a que tem mais frequências em toda a rede da Transavia France.

O Porto foi o primeiro destino da Transavia France, em 2007, e é o aeroporto onde a companhia franco-holandesa subsidiária da Air France-KLM mais vai investir em 2016, com quatro frequências diárias para Paris, no verão, e quatro das seis novas rotas para Portugal. Com ocupações acima da média em 2015 (a média foi 89,9%), as rotas portuguesas vão transportar mais 30% de passageiros este ano.
Nathalie Stubler assumiu há poucos dias o lugar de CEO da Transavia France e o Porto não podia deixar de estar entre os primeiros destinos da companhia a visitar. “Foi onde aterrou o nosso primeiro voo e é um destino muito importante para nós”, assegurou, em entrevista ao Dinheiro Vivo.

Ainda a negociar com o sindicato dos pilotos da Air France, que convocou as greves de 2014 contra a expansão da Transavia, Stubler acredita ser possível “chegar a um entendimento para abrir bases fora de França”. E, quando isso acontecer, “o Porto será uma possibilidade” forte, revelou.

A abertura da base da Transavia no Porto chegou a estar programada para 2015, no âmbito da fusão das “low cost” francesa e holandesa do grupo Air France/KLM.

Na Holanda, os pilotos já aceitaram a abertura de uma base em Munique (que inicia rota para o Porto a 27 de março). E, em França, os pilotos da Air France aceitaram pilotar aviões da Transavia sob as condições da “low cost”, de forma a manter empregos e minorar o problema dos excedentários da companhia de bandeira francesa. Este ano, com a entrega de cinco novos aviões à empresa francesa e quatro à holandesa, e com os pilotos da Air France a operá-los, Portugal será “uma fatia cada vez mais importante dos negócios da Transavia”.
Enquanto a concorrência “low cost” tenta aproximar os níveis de serviço à Transavia, a companhia francesa prepara-se para lançar um serviço de apoio ao cliente via Whatsapp. O número será o +4915770692280.

“Escolhemos esse modelo porque sabemos que os portugueses o usam muito e queremos cada vez mais portugueses a voar na Transavia”, sublinhou Stubler.

Os passageiros de negócios são outra forte aposta da companhia de tarifas baixas para 2016. “Atualmente, cerca de 10% dos nossos passageiros nas rotas portuguesas viajam por motivo de negócios. Este ano, queremos aumentar essa percentagem para 15% e o Porto é, naturalmente, um local de investimento, como comprova o reforço da rota para Paris para quatro frequências diárias, em que a primeira sai do Porto às 6 da manhã e a última sai de Orly às 20,30, proporcionando um dia inteiro para negócios”, explicou.

A nível dos passageiros em lazer ou visita a familiares e amigos, a Transavia France ainda não possui a análise por nacionalidades, de forma a saber se há de facto mais portugueses a utilizar a “low cost”. No caso da rota Porto-Funchal, “a única rota doméstica da Transavia fora de França”, apontou Nathalie Stubler, o tráfego será predominantemente de portugueses, visto que “não são os franceses que utilizam a rota”.

O Euro2016 em França, este ano, será outra oportunidade para angariar mais passageiros portugueses. “A nossa rota para Lyon fica muito perto do local da realização do primeiro jogo (a 14 de junho) e as tarifas, para já, ainda estão muito acessíveis, a 62€”, apontou a CEO da empresa. “Para já, ainda não há necessidade de prever voos adicionais por causa dos jogos, mas se for preciso iremos analisar a questão”, adiantou ainda.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno (D), durante o debate parlamentar de discussão na generalidade do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), esta tarde na Assembleia da República, em Lisboa, 09 de janeiro de 2020. MIGUEL A. LOPES/LUSA

Subida do PIB em 2019 chega aos 2,2% com revisão nas exportações de serviços

Foto - Leonardo Negrao

Deco: seguros de saúde não cobrem coronavírus, seguros de vida sim

Foto: D.R.

Easyjet. Ligações de Portugal com Itália não serão afetadas, por enquanto

Transavia centra no Porto o maior investimento de 2016