Consumo

Reclamações sobre transportes duplicaram na Deco

Parceria com a Air Europa permite à "low cost" irlandesa
Cancelamentos de voos da Ryanair deixaram milhares em terra

Número total de queixas feitas à Associação de Defesa do Consumidor recuou 12% em 2017, para 405 mil em relação ao ano anterior.

Cancelamentos de voos, alterações de horários e atrasos nos transportes públicos fizeram duplicar o ano passado o número de queixas dos consumidores junto da Deco. Cerca de 3 mil reclamações chegaram à Associação de Defesa do Consumidor, com um contributo das reclamações geradas pelo cancelamento em massa de voos da Ryanair em setembro. Globalmente, o número de reclamações caiu 12%, para 405 mil, menos 45 mil queixas do que em relação a 2016.

“Os consumidores através do digital têm cada vez mais acesso direto à informação e às empresas e conseguem obter informação e a resolução do conflito pelos seus meios, o que é positivo”, considera Ana Sofia Ferreira, coordenadora do Gabinete de Apoio ao Consumidor da Deco, comentando a redução do número de reclamações junto da associação.

As telecomunicações continua a ser o setor mais reclamado, com 42 339 queixas, mas ainda assim menos 7% face a 2016, uma tendência de descida visível nos quatro setores mais reclamados. Com 26 194 (-4,5%) compra e venda destrona o setor de energia e água (21 670, menos 21,8%) como o segundo mais reclamado. Dificuldade em acionar garantias de produtos continua a ser o motivo do maior número de reclamações, mas as compras online estão a gerar alerta na Deco. “Ainda não é um volume significativo do bolo, mas a tendência é de crescimento com muitos dos portugueses a recorrer a este mecanismo para a compra de bens”, diz Ana Sofia Ferreira. Atrasos de entrega, dificuldades de reembolso, mas também “situações de sites que fecham e que deixam muitos consumidores lesados”.

O número de queixas envolvendo os serviços financeiros também recuou no ano passado para 20 756, menos 21,5%. Os seguros associados a créditos, mas também o maior número e os valores mais elevados das comissões bancárias estiveram na origem da maioria das reclamações. Para clarificar as comissões, a Deco tem uma petição até ao final de janeiro, à qual já subscreveram 16 545 pessoas.

Os transportes foi o setor que registou subidas em 2017, com o cancelamento massivo de voos feito pela Ryanair em setembro a contribuir para esta subida – a Deco ajudou os consumidores a que recorreram a receber 35 mil euros de indemnização ,- mas também as queixas relativas aos transportes públicos da Grande Lisboa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Orçamento pode trazer novo alívio de 200 milhões de euros no IRS

Ponte 25 de Abril

Atrasos no concurso não comprometem arranque das obras na Ponte 25 de Abril

LEONARDO NEGRAO /Global Imagens

Grupo português investe 80 milhões na compra da Toys “R” Us Iberia

Outros conteúdos GMG
Reclamações sobre transportes duplicaram na Deco