exoneração

Rocha Andrade e mais dois secretários de Estado pedem demissão

Fernando Rocha Andrade
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)
Fernando Rocha Andrade (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Os secretários de Estado da Internacionalização, dos Assuntos Fiscais e da Indústria pediram a exoneração de funções à conta das viagens ao Euro2016.

Os secretários de Estado da Internacionalização, dos Assuntos Fiscais e da Indústria pediram este domingo a demissão, após terem solicitado ao Ministério Público a sua constituição como arguidos no inquérito relativo às viagens para assistir a jogos do Euro 2016, a convite da Galp. A solicitação foi uma mera antecipação à sua constituição como arguidos, dizem.

“Os signatários solicitaram ao primeiro-ministro a exoneração das funções que desempenham”, afirmam os ex-governantes em comunicado enviado à Lusa, assinado pelo secretário de Estado da Internacionalização, Jorge Costa Oliveira, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade, e o secretário de Estado da Indústria, João Vasconcelos. A decisão é justificada com a intenção de não prejudicar o Governo.

Os três secretários de Estado aceitaram, no ano passado, convites da Galp para assistir a jogos da seleção nacional no campeonato europeu de futebol.

Os três governantes referem, na mesma nota, que decidiram “exercer o seu direito de requerer ao Ministério Público a sua constituição como arguidos”, depois de terem tido conhecimento de que “várias pessoas foram ouvidas pelo Ministério Público e constituídas como arguidas no âmbito de um processo inquérito relativo às viagens organizadas pelo patrocinador oficial da seleção portuguesa de futebol, durante o campeonato da Europa de 2016”.

Jorge Costa Oliveira, Fernando Rocha Andrade e João Vasconcelos afirmam que foram “sempre transparentes” sobre esta questão e “reafirmam a sua firme convicção de que os seus comportamentos não configuram qualquer ilícito”, o que dizem querer “provar no decorrer do referido inquérito”.

“Todavia, nas atuais circunstâncias, entendem que não poderão continuar a dar o seu melhor contributo ao Governo e pretendem que o executivo não seja prejudicado, na sua ação, por esta circunstância”, referem, a propósito do pedido de exoneração.

A Galp, o euro e as viagens

Em causa o facto de estes três governantes terem aproveitado convites para de forma gratuita se deslocarem a França para assistir a jogos da seleção. A notícia foi avançada pela “Sábado” no início de agosto de 2016.

O problema, no caso específico de Rocha Andrade, é que a Galp está em litígio com o Fisco, tutelado por… Rocha Andrade. A petrolífera tem contenciosos com o Estado no valor de 100 milhões de euros à conta da recusa, já na altura do governo anterior, em saldar impostos. Caberia a Rocha Andrade lidar com este litígio.

A revista “Sábado” chegou a questionar o secretário de Estado sobre a questão ética e a resposta obtida foi de que este encara “com naturalidade, e dentro da adequação social, a aceitação deste tipo de convite – no caso, um convite de um patrocinador da seleção para assistir a um jogo da Seleção Nacional de Futebol”.

“Existe uma multiplicidade de processos de natureza judicial envolvendo o Grupo em questão, algo relativamente normal na relação entre um contribuinte com esta dimensão e a Autoridade Tributária. Acrescente-se que tratando-se de processos em contencioso, as decisões concretas sobre os processos judiciais em causa não competem ao Governo, mas sim aos Tribunais”, referiu sobre o contencioso.

Também em agosto do ano passado, o Ministério Público informou que estava a “recolher elementos” sobre as viagens pagas pela Galp. O objetivo, referiu a PGR à Lusa então, era o de “recolher elementos, tendo em vista apurar se há, ou não, procedimentos a desencadear no âmbito das respetivas competências”.

Ainda nesse mês, o próprio secretário de Estado dos Assuntos Fiscais ofereceu-se para “reembolsar” a Galp das despesas em que incorreu para levar o governante a França para assistir a dois jogos da seleção.

Segundo respondeu então o ministério das Finanças ao “Dinheiro Vivo”, o secretário de Estado “confirma que aceitou o convite feito pela Galp, enquanto entidade patrocinadora da Seleção Nacional, para assistir a dois jogos da seleção portuguesa de futebol”. No entanto, a apesar de “considerar o convite natural, dentro da adequação social” e de considerar que “não existe um conflito de interesses”, Rocha Andrade já contactou a petrolífera “no sentido de reembolsar a empresa da despesa efetuada”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
5G_2

5G: Anacom arranca já com consulta. Leilão será em abril

5G_2

5G: Anacom arranca já com consulta. Leilão será em abril

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, conversa com o primeiro-ministro indigitado, António Costa, durante uma audiência para apresentação da lista de nomes propostos para secretários de Estado do XXII Governo Constitucional, no Palácio de Belém, em Lisboa, 21 de outubro de 2019. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Primeira reunião do novo governo marcada para sábado a seguir à tomada de posse

Outros conteúdos GMG
Rocha Andrade e mais dois secretários de Estado pedem demissão