Economia

Tribunal de Contas aprova Plano Estratégico para 2020-2022

Fotografia: Rodrigo Cabrita/Global Imagens
Fotografia: Rodrigo Cabrita/Global Imagens

Plano privilegia a participação dos auditores e auditados e a priorização das ações a desenvolver com o reforço da análise de risco.

O Tribunal de Contas (TdC) aprovou o Plano Estratégico para o período de 2020 a 2022, que privilegia a participação dos auditores e auditados e a priorização das ações a desenvolver com o reforço da análise de risco, foi hoje anunciado.

De acordo com um comunicado enviado hoje pela instituição às redações, o TdC “aprovou o Plano Estratégico para o período 2020-2022, tendo por base um novo modelo que privilegia a participação dos auditores e dos auditados, reforça a metodologia de análise de risco na priorização das ações a desenvolver e prevê uma sistemática flexibilidade face às mudanças rápidas e imprevistas”.

Na mesma nota, a instituição esclarece que, nos próximos três anos, o TdC “quer atingir quatro grandes objetivos estratégicos”, sendo eles “uma forte aposta na relevância da sua contribuição para uma trajetória de rigor e sustentabilidade das finanças públicas portuguesas”, “um significativo investimento na modernização”, a “reorganização da sua estrutura e modo de atuação” e também a “qualificação e rejuvenescimento dos seus recursos humanos”.

Para atingir estes objetivos, o TdC diz que vai dar prioridade aos desafios e riscos “associados à preparação para a sociedade digital, ao desenvolvimento sustentável, bem como aos impactos da evolução demográfica e das alterações climáticas”.

“O Tribunal compromete-se a reforçar a política de transparência e abertura à sociedade, evoluindo para uma abordagem mais integrada e articulada das várias valências do controlo financeiro, que confiram maior relevância, eficiência e eficácia à sua atuação e contribuam para reforçar a confiança dos cidadãos na gestão financeira pública”, sublinha, em comunicado, o presidente do TdC, Vítor Caldeira.

O TdC é o órgão supremo de fiscalização da legalidade das despesas públicas, com jurisdição e poderes de controlo financeiro no âmbito da ordem jurídica portuguesa, tanto no território nacional como no estrangeiro.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
The World Economic Forum, Davos
Fabrice COFFRINI/AFP

Líderes rumam a Davos para debater a nova desordem mundial

Mário Centeno

Privados pedem ao Estado 1,4 mil milhões de euros em indemnizações

Luis Cabral, economista.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Luís Cabral: “Pobreza já não é só ganhar 2 dólares/dia”

Tribunal de Contas aprova Plano Estratégico para 2020-2022