Jean-Claude Trichet

Trichet critica excessiva regulação no mercado de trabalho

O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet, reconheceu hoje que a Europa está longe de completar as reformas estruturais e alertou para a demasiada regulação dos mercados de trabalho e de serviços na União Europeia (UE).

Apesar do “reconhecimento da necessidade de reformas estruturais” na UE, Trichet admitiu que estas estão “longe de estarem completas” e destacou a situação do mercado de trabalho e do mercado de serviços no espaço comunitário, que classificou de “demasiado regulados” e fora das “forças da concorrência”.

O presidente do BCE falava no encontro informal de presidentes e governadores de bancos centrais que decorre nos Estados Unidos, em Jackson Hole, no Estado do Wyoming.

“Embora se tenham registado melhorias na zona euro, é ainda evidente a existência de barreiras regulatórias em diferentes profissões, que devem ser ativamente corrigidas”, disse Trichet que, num painel com a diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), apelou ao “crescimento equilibrado e sustentável” como as bases da expansão económica a longo prazo.

Citando os casos de Espanha e da Irlanda, o responsável considerou que as “bolhas de crescimento” acabam por ter grandes custos em termos de bem-estar económico e insistiu na necessidade de manter “uma atenção continuada” aos desequilíbrios internos e externos e apelou a “uma maior flexibilidade” por parte das instituições políticas.

São estes, afirmou Jean-Claude Trichet, os elementos necessários para “um crescimento equilibrado e um ambiente de inflação baixa e credível”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Foto: EPA/PATRICK SEEGER

Bruxelas dá luz verde a Banco Português de Fomento

(João Manuel Ribeiro/Global Imagens)

Clientes com mais de 10 mil euros no BCP começam a pagar comissão

Centenas de turistas visitam todos os dias os jardins do Palácio de Cristal, no Porto. Fotografia: Leonel de Castro/Global Imagens

FMI: Portugal com perdas acima de 2% do PIB devido à quebra no turismo

Trichet critica excessiva regulação no mercado de trabalho