aviação

Tripulantes de cabine querem estatuto de profissão de desgaste rápido

Cabin_crew_service_(4)_(14171528370)

Sindicato do Pessoal de Voo da Aviação Civil foi ouvido na Assembleia da República, no âmbito de petição com mais de 13 mil assinaturas.

A Comissão de Trabalho e Segurança Social tem, a partir desta terça-feira, 20 dias para dar parecer sobre pedido de estatuto de profissão de desgaste rápido para os tripulantes de cabine, segundo o vice-presidente do sindicato, Bruno Fialho.

O Sindicato do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) foi hoje ouvido por aquela comissão da Assembleia da República, ao abrigo da Petição n.º 597/XIII/4.ª, que reúne mais de 13 mil assinaturas e na qual reivindicam que se consagre o estatuto de Profissão de Desgaste Rápido para os Tripulantes de Cabine.

O deputado relator da Comissão de Trabalho e Segurança Social propôs que as entidades competentes tomem posição sobre a matéria, tendo agora 20 dias, segundo a lei do Exercício do Direito de Petição, para decidirem se aprovam ou não a classificação de profissão de desgaste para os tripulantes de cabine e se a matéria segue ou não para apreciação em Plenário da Assembleia da República.

Segundo o dirigente sindical disse à agência Lusa, na comissão de hoje foram apresentados vários estudos científicos nacionais e europeus, que apresentam provas que sustentam esta reivindicação, equiparando os tripulantes de cabine a outras profissões de desgaste rápido, como, por exemplo, bailarinos.

Por este motivo, e porque a Comissão decidiu não solicitar a apresentação de mais estudos ao SNPVAC, Bruno Fialho afirmou esperar um parecer favorável sobre este assunto.

Questionado sobre a decisão de convocar greves para todas as companhias de aviação a operar em Portugal, nos meses de julho e agosto, como forma de protesto, o dirigente sindical considera que “o Governo já devia ter legislado sobre esta matéria” e, como tal, o sindicato responsabilizará o executivo, recorrendo a greves, no caso de as suas reivindicações não serem aceites.

O sindicato pretende também que seja reduzida a idade de reforma para os tripulantes de cabine em sete anos, face à prevista na lei em cada momento em vigor e sem qualquer penalização.

Defende igualmente a reforma imediata, por opção, a quem possuir 35 anos de serviço a trabalhar como tripulante de cabine, sem qualquer penalização.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE, João Proença, durante a sua audição na Comissão de Saúde, na Assembleia da República, em Lisboa, 27 de fevereiro de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

ADSE já enviou novas tabelas de preços aos privados para negociação

Mario Draghi, Presidente do Banco Central Europeu. REUTERS/Kai Pfaffenbach

BCE discutiu pacote de medidas para estimular economia na reunião de julho

Hotéis de Lisboa esgotaram

“Grandes” eventos impulsionaram aumento dos preços na hotelaria em junho

Outros conteúdos GMG
Tripulantes de cabine querem estatuto de profissão de desgaste rápido