Trocas comerciais entre a China e os países lusófonos aumentaram

Trocas comerciais entre a China e os países lusófonos crescem 9,28%
Trocas comerciais entre a China e os países lusófonos crescem 9,28%

As trocas comerciais entre a China e os países de língua portuguesa atingiram 53,3 mil milhões de dólares (39,2 mil milhões de euros) entre janeiro e maio, um aumento de 9,28% face ao período homólogo do ano passado.

De acordo com estatísticas dos Serviços de Alfândega da China, divulgadas hoje pelo Secretariado Permanente do Fórum Macau, a segunda maior economia mundial comprou aos oito países lusófonos bens avaliados em 36,3 mil milhões de dólares (26,7 mil milhões de euros) – mais 11,63% – e vendeu produtos no valor de 17 mil milhões de dólares (12,5 mil milhões de euros), reflexo de uma subida de 4,56% em termos anuais.

Leia também:Economia chinesa conseguirá crescer cerca de 7,5% em 2014

O Brasil manteve-se como o principal parceiro económico da China, com o volume global das trocas comerciais a ascender a 34,17 mil milhões de dólares (25,1 mil milhões de euros) até maio – mais 8,58% comparativamente aos primeiros cinco meses de 2013.

As exportações da China para o Brasil cifraram-se em 13,48 mil milhões de dólares (9,9 mil milhões de euros), enquanto as importações chinesas totalizaram, entre janeiro e maio, 20,68 mil milhões de dólares (15,2 mil milhões de euros), valores que traduzem, respetivamente, aumentos anuais de 1,56% e 13,71%.

Com Angola, o segundo parceiro chinês no universo lusófono, as trocas comerciais cresceram 8,46% para 16,49 mil milhões de dólares (12,1 mil milhões de euros).

Pequim vendeu a Luanda produtos avaliados em 1,71 mil milhões de dólares (1,2 mil milhões de euros) – mais 10,39% – e comprou mercadorias no valor de 14,78 mil milhões de dólares (10,86 mil milhões de euros) – mais 8,24% – face aos primeiros cinco meses do ano passado.

Com Portugal, terceiro parceiro da China na lusofonia, o comércio bilateral cresceu 25,71% para 1,89 mil milhões de dólares (1,38 mil milhões de euros) – graças à forte subida das exportações chinesas (28,76%) que atingiram 1,23 mil milhões de dólares (904,5 milhões de euros), numa balança comercial favorável a Pequim, já que Lisboa comprou bens avaliados em 663,2 milhões de dólares (487,7 milhões de euros), mais 20,42% em termos anuais homólogos.

Ao nível do comércio bilateral com a China, verificaram-se aumentos anuais com todos os países de expressão portuguesa entre janeiro e maio, destacando-se o crescimento das trocas comerciais com a Guiné-Bissau (134,8%) e com São Tomé e Príncipe (64,17%), num quadro em que apenas as trocas comerciais com os dois maiores parceiros – Brasil e Angola – não registaram um crescimento a dois dígitos.

Só no mês de maio, as trocas comerciais bilaterais entre a China e os países lusófonos totalizaram 12 mil milhões de dólares (8,82 mil milhões de euros), traduzindo um decréscimo de 1,89% face ao mês anterior.

A queda mensal ficou a dever-se ao recuo das importações da China aos países de língua portuguesa, que caíram 4,14% para 8,37 mil milhões de dólares (6,15 mil milhões de euros), por oposição às exportações, que totalizaram 3,63 mil milhões de dólares (2,66 mil milhões de euros), subindo 3,71% comparativamente a abril.

Os dados divulgados incluem São Tomé e Príncipe, apesar de o país manter ligações com Taiwan e não participar diretamente no Fórum Macau.

A China estabeleceu a Região Administrativa Especial como a sua plataforma para o reforço da cooperação económica e comercial com os países de língua portuguesa em 2003, ano em que criou o Fórum Macau, que reúne ao nível ministerial de três em três anos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Lisboa, 16/07/2019 - Decorreu hoje parte de uma reportagem sobre, empregos criados pelas empresas de partilha de veículos em Portugal..
Acompanhamos a recolha, carregamento e reparação das trotinetes partilhadas da Circ.

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Partilha de veículos dá emprego a mais de 500 pessoas

Lisboa, 16/07/2019 - Decorreu hoje parte de uma reportagem sobre, empregos criados pelas empresas de partilha de veículos em Portugal..
Acompanhamos a recolha, carregamento e reparação das trotinetes partilhadas da Circ.

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Partilha de veículos dá emprego a mais de 500 pessoas

António Mexia, CEO da EDP. Fotografia: REUTERS/Pedro Nunes

Saída de clientes da EDP já supera as entradas

Outros conteúdos GMG
Trocas comerciais entre a China e os países lusófonos aumentaram