Guerra comercial EUA-China

Trump assina acordo inicial com China para evitar tarifas

Trump Xi China
Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, e Xi Jinping, presidente da China. Foto: Reuters

Acordo inicial está garantido, indicam meios americanos, o que permite evitar entrada em vigor de tarifas pesadas para a China

Os Estados Unidos e a China estabeleceram os termos finais para um acordo comercial ainda em primeira fase, aproximando os dois países de um muito aguardado e várias vezes adiado pacto, que o presidente Trump anunciou inicialmente em outubro.

A notícia foi inicialmente dada pela Bloomberg e, entretanto, confirmada pelo New York Times. Trump reuniu-se com seus principais assessores económicos na Casa Branca e terá assinado o princípio de acordo, evitando assim a introdução de uma nova onda de tarifas dos EUA à China de cerca de 160 mil milhões de dólares em bens de consumo, que iria entrar em vigor a 15 de dezembro.

Diz o New York Times que os EUA esperam, com o acordo, que os chineses comprem bens agrícolas americanos e façam ainda outras concessões. Os termos foram acordados, mas o texto final ainda não foi finalizado. A Casa Branca ainda não comentou o tema, mas um tweet de Trump logo após a abertura da bolsa de Nova Iorque fez as ações dispararem.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, discursa na cerimónia de lançamento do Projeto de Divulgação Cultural do Novo Banco. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Banca custou ao Estado mais 1,5 mil milhões de euros em 2019, agora ajude

coronavirus portugal antonio costa

Proibidos ajuntamentos com mais de cinco pessoas. Aeroportos encerrados

O primeiro-ministro, António Costa, fala aos jornalistas no final da reunião do Conselho de Ministros após a Assembleia da República ter aprovado o decreto do Presidente da República que prolonga o estado de emergência até ao final do dia 17 de abril para combater a pandemia da covid-19, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 2 de abril de 2020. 
 MÁRIO CRUZ/POOL/LUSA

Mapa de férias pode ser aprovado e afixado mais tarde do que o habitual

Trump assina acordo inicial com China para evitar tarifas