Petróleo

Trump ataca OPEP devido aos preços do petróleo

REUTERS/Kevin Lamarque
REUTERS/Kevin Lamarque

O presidente dos EUA criticou os estados-membros da OPEP e sublinha que os preços do petróleo estão “artificialmente muito elevados”.

Donald Trump apontou baterias à Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) depois do cartel, e alguns dos seus aliados, terem assumido que estão disponíveis para continuar cortarem na produção de petróleo, com o objetivo de fazer subir os preços do barril.

“Parece que a OPEP fê-lo novamente. Com níveis recorde de petróleo por todo o lado, incluindo nos navios que estão no mar, os preços do petróleo estão artificialmente muito elevados! Não é bom nem é aceitável”, disse Trump no Twitter.

Nas últimas horas, o comité da OPEP e os seus produtores admitiram que os cortes na produção – em vigor há vários meses – têm permitido uma recuperação da cotação do “ouro negro”. Mas acreditam que há ainda margem para que os preços continuem a subir.

Os ministros com a tutela do petróleo de países como a Arábia Saudita (um dos maiores produtores de crude do mundo), Rússia e Emirados Árabes Unidos já responderam, de acordo com a Bloomberg, dizendo que não existem preços artificiais e que os atuais níveis do petróleo nos mercados internacionais refletem questões de geopolítica.

As subidas recentes da matéria-prima estarão associadas a uma intensificação dos riscos geopolíticos, com o mercado a temer uma renovação das sanções dos EUA sobre o Irão, um dos membros da OPEP.

Ole Hansen do Saxo Bank sinaliza, de acordo com a agência, que não é apenas o fato de a “OPEP estar a fazer o que deveria estar a fazer; não devíamos tirar os nossos olhos do fato de que o mercados está a subir devido aos riscos geopolíticos”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Bruxelas agrava projeção de contração em Portugal para 9,8%

Fotografia: Orlando Almeida/ Global Imagens.

SATA pede auxílio ao Estado no valor de 163 milhões de euros

Comissão Europeia, Bruxelas (REUTERS)

Bruxelas revê estimativas. Economia da zona euro deverá recuar 8,7% em 2020

Trump ataca OPEP devido aos preços do petróleo