Internacional

Trump volta a exigir ao Canadá que aumente despesas na NATO

REUTERS/Kevin Lamarque
REUTERS/Kevin Lamarque

Donald Trump, voltou a exigir ao Canadá e a outros membros da NATO que aumentem as despesas na defesa, a poucos dias da cimeira

O Presidente norte-americano, Donald Trump, voltou a exigir ao Canadá e a outros membros da NATO que aumentem as despesas na defesa, a poucos dias da cimeira da organização.

Numa carta ao primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, datada de 19 de junho, o Presidente dos EUA dá conta de “uma frustração crescente dos Estados Unidos que aliados-chave como o Canadá não tenham aumentado as suas despesas de defesa como prometido”.

O teor da carta foi tornado público pelo sítio iPolitics e um porta-voz do gabinete do primeiro-ministro confirmou hoje à agência France-Presse a existência desta missiva.

Os membros da NATO comprometeram-se em setembro de 2014 a alocar uma verba de dois por cento do Produto Interno Bruto (PIB) até 2024.

O presidente dos EUA, que tem insistido nas críticas ao nível de gastos militares de vários países membros da NATO, reiterou que exigirá que esse compromisso seja honrado na cimeira da Aliança Atlântica em Bruxelas, a 11 e 12 de julho.

“Será cada vez mais difícil de justificar junto dos cidadãos norte-americanos que certos países continuem a não respeitar os nossos compromissos comuns em matéria de segurança coletiva”, escreveu Trump.

Renée Filiatrault, porta-voz do ministro da Defesa canadiano, Harjit Sajjan, recordou hoje que o executivo canadiano se comprometeu, no ano passado, a aumentar em 70% as despesas militares, num horizonte de 10 anos, e sublinhou que “a participação do Canadá nas operações da NATO em todo o mundo constitui um sinal tangível do seu envolvimento na aliança transatlântica”.

O envio desta carta ocorre num contexto de tensão entre o Canadá e os Estados Unidos, após a imposição de taxas norte-americanas sobre as importações de aço e de alumínio e de ataques de Trump a Trudeau, que acusou de “desonesto” e de “fraco” depois da cimeira do G7 (as economias mais avançadas do mundo).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
(Fotografia: Pedro Granadeiro / Global Imagens )

Vendas de carros descem 71,6% em maio

O primeiro-ministro, António Costa. Fotografia: António Cotrim/Lusa

PIB pode registar quebra entre 9% a 15% em 2020

Lisboa, 25/05/2016 - Aspecto do Palco Mundo, durante uma reportagem do Diário de Notícias sobre o que acontece nos dias em que no Festival Rock in Rio não há concertos.

( Gustavo Bom / Global Imagens )

APSTE: Setor dos eventos com prejuízos de 20 milhões no segundo trimestre

Trump volta a exigir ao Canadá que aumente despesas na NATO