Coronavírus

Turim Hotels. Trabalhadores em lay-off só receberam 30% dos 2/3 do salário

Fotografia: D.R.
Fotografia: D.R.

Os trabalhadores "receberam menos de 200 euros, o que é ilegal" e "insustentável para qualquer família sobreviver"

O grupo hoteleiro Turim só pagou 30% do salário de abril aos trabalhadores que estão no regime de lay-off simplificado, quando está obrigado por lei a pagar 2/3 do vencimento mesmo que a Segurança Social ainda não tenha realizado a transferência da verba que está a seu cargo. O grupo hoteleiro português corre o risco de perder os apoios do Estado.

“A 4 de Maio, os funcionários apenas receberam os 30% dos 2/3 do salário e hoje, 22 de Maio, ainda não recebemos os restantes 70%, que são pagos pela Segurança Social”, fez saber ao Dinheiro Vivo um colaborador do grupo que pediu anonimato. O recibo do vencimento de abril dá como tendo sido pago a totalidade.

A Autoridade para as Condições do Trabalho também já foi notificada deste incumprimento por parte do grupo Turim, que entrou em lay-off a 20 de março. Nesse mês, não se registaram anomalias no pagamento dos salários.

Este trabalhador que falou ao Dinheiro Vivo e vários outros colegas já entraram por diversas vezes em contacto com a direção, “que insiste que o pagamento apenas será feito após receberem da Segurança Social”.

Os trabalhadores “receberam menos de 200 euros, o que é ilegal, muito abaixo da Remuneração Mínima Mensal Garantida, e insustentável para qualquer família sobreviver”, frisa o funcionário.

O grupo afirmou aos trabalhadores “não ter capacidade de tesouraria para fazer face à atual situação económica e liquidar os pagamentos”. Entretanto, está a chegar ao fim o mês de maio e a preocupação dos trabalhadores aumenta.

O Turim Hotels não reagiu a esta denúncia, apesar dos contactos efetuados pelo Dinheiro Vivo. O grupo português tem uma rede de 21 unidades no país e projetos para expandir a cadeia.

Entretanto, já terá aberto alguns estabelecimentos nesta fase de desconfinamento, mas também já fez saber que provavelmente não abrirá todos este ano.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Nazaré Costa Cabral, presidente do Conselho de Finanças Públicas. (João Silva / Global Imagens)

Cenário severo em 2020. Défice nos 9%, dívida em 142%, desemprego nos 13%

O primeiro-ministro, António Costa. Fotografia: António Cotrim/Lusa

Apoios à TAP formalizados “em breve” depois de consultas com Bruxelas

Foto: Fábio Poço/Global Imagens)

Costa promete linha para converter AL em arrendamento para jovens

Turim Hotels. Trabalhadores em lay-off só receberam 30% dos 2/3 do salário