Comércio internacional

UE e Japão assinam acordo de comércio livre

Japão

A União Europeia (UE) e o Japão vão realizar esta terça-feira uma cimeira em Tóquio, onde devem assinar um acordo de comércio livre com o objetivo de estreitar as relações e impulsionar as suas economias.

Depois da cimeira de hoje, em Pequim, com o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, reúnem-se terça-feira com o primeiro-ministro nipónico, Shinzo Abe, em Tóquio.

O principal objetivo deste encontro é a conclusão dos acordos de Associação Económica e Parceria Estratégica que foram concluídos em dezembro passado, mas que ainda não foram assinados.

Estes acordos entre Bruxelas e a terceira economia mundial são uma oportunidade de lançar uma mensagem forte a favor da liberalização da economia e do livre comércio, ao contrário da tendência protecionista dos Estados Unidos, depois da chegada ao poder de Donald Trump, que tem desencadeado tensões comerciais.

“Dado este movimento protecionista, o Japão e a UE trabalharão juntos para avançar com passos firmes no comércio livre e justo”, disse o porta-voz do governo japonês, Yoshihide Suga, aos jornalistas, na sexta-feira.

Este mês, o Presidente norte-americano, Donald Trump, impôs taxas alfandegárias de 25% sobre 34 mil milhões de dólares (29 mil milhões de euros) de importações chinesas, contra o que considera serem “táticas predatórias” por parte de Pequim, que visam o desenvolvimento do seu setor tecnológico.

No domingo, o Presidente norte-americano afirmou que a União Europeia, a Rússia e a China são inimigos dos Estados Unidos.

“Eu penso que temos muitos inimigos. Acho que a União Europeia é um inimigo, tendo em conta o que eles fizeram connosco no que respeita ao comércio. A Rússia é um inimigo em vários aspetos e a China é um inimigo económico”, disse Donald Trump.

Estas declarações foram proferidas na Escócia, antes da cimeira com o Presidente russo, Vladimir Putin, que decorre em Helsínquia, na Finlândia.

O acordo comercial entre a União Europeia e o Japão procura aproximar os dois parceiros que, juntos, representam 40% do comércio e 30% do PIB mundial.

Uma vez em vigor, o tratado permitirá a liberalização de 94% das importações da UE para o Japão, uma atividade económica que atualmente chega a 86 mil milhões de euros e que gera 600.000 empregos na UE, segundo dados da Comissão Europeia.

Depois da China, o Japão é o segundo maior parceiro comercial na Ásia dos países membros da UE e Bruxelas é o terceiro maior parceiro do país asiático em volume de comércio depois dos EUA e de Pequim.

O acordo que vai ser assinado entre a União e o Japão não vai entrar em vigor para já, pois é necessário a aprovação dos parlamentos dos países envolvidos, faltando ainda definir um mecanismo de resolução de disputas entre os Estados e investidores.

Bruxelas e Tóquio ainda não conseguiram chegar a acordo sobre esta matéria, mas as autoridades japonesas esperam que este mecanismo seja assinado “o mais rápido possível”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
fitch rating dívida riscos políticos

Centeno vai além da meta. Défice público cai para 0,5% do PIB em 2018

fitch rating dívida riscos políticos

Centeno vai além da meta. Défice público cai para 0,5% do PIB em 2018

João Vasconcelos 
(Nuno Pinto Fernandes / Global Imagens)

Morreu João Vasconcelos, ex-secretário de Estado da Indústria

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
UE e Japão assinam acordo de comércio livre