Coronavírus

Um em cada 10 portugueses já teve de pedir novo empréstimo para pagar contas

Cartões de crédito e débito. Fotografia: Global Imagens
Cartões de crédito e débito. Fotografia: Global Imagens

Entre os 18 mil inquiridos de um estudo da Fixando, mais de 40% assume que não terá dinheiro no espaço de 30 dias.

Um em cada 10 portugueses já teve de pedir um novo empréstimo para pagar contas. Um inquérito divulgado esta terça-feira pela plataforma de contratação de serviço Fixando mostra as dificuldades de tesouraria que os portugueses estão a enfrentar por causa do novo coronavírus. Foram obtidas 18 mil respostas.

Mais de metade dos empréstimos pedidos (52%) está relacionado com crédito pessoal, enquanto 28% está ligado ao crédito à habitação e 19% ao crédito automóvel. Cada um destes créditos tem moratórias, conforme foi definido pela Associação Portuguesa de Bancos dia 16 de abril: para o crédito ao consumo, a moratória é válida por 12 meses; no crédito à habitação, estão abrangidos diferentes tipos de empréstimos da casa e vai vigorar até 30 de setembro, o mesmo prazo previsto na moratória governamental.

63% dos empréstimos contraídos pelos portugueses têm montantes inferiores a 5 mil euros e 26% têm um montante entre 5 mil e 25 mil euros. Metade dos empréstimos pedidos para pagar está relacionado com a habitação, um quarto serve para a compra de bens essenciais, 22% para pagar contas de empresa e 16% para pagar contas pessoais.

39% dos inquiridos assume ainda estar com dificuldade de pagar os créditos, sobretudo com crédito pessoal (52% dos casos).

Mais de metade dos inquiridos (55%) diz que está a trabalhar. 72% da amostra que não está a trabalhar não está a beneficiar de qualquer rendimento. Das pessoas sem emprego, 41% só conseguem aguentar nesta situação por menos de um mês, 17% entre 1 e 2 meses, 11% por dois ou três meses; por outro lado, um quinto da amostra diz que suporta mais de seis meses sem rendimentos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Foto: JOAO RELVAS / LUSA

Desemprego registado volta a crescer em agosto, supera 409 mil inscrições

Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

AL perdeu quase 3000 casas em Lisboa e Porto. Oferta para arrendar cresce

Manuel Heitor, ministro do Ensino Superior.
(PAULO SPRANGER/Global Imagens)

Alunos vão pagar até 285 euros para ficar em hotéis e alojamento local

Um em cada 10 portugueses já teve de pedir novo empréstimo para pagar contas