Lisbon Mobi Summit

Uma gama com soluções variadas para diferentes expectativas

( REUTERS/Fabrizio Bensch/File Photo)
( REUTERS/Fabrizio Bensch/File Photo)

A marca propõe modelos alimentados unicamente por baterias elétricas, e veículos em que as baterias e o motor de combustão interna coabitam.

Sem limitar a sua oferta a uma única tipologia de modelos, a Volkswagen tem aumentado o coeficiente de eletrificação na sua gama, propondo soluções variadas consoante a expectativa dos seus clientes. A marca propõe modelos alimentados unicamente por baterias elétricas, mas igualmente veículos em que as baterias e o motor de combustão interna coabitam para uma maior funcionalidade.

Neste caso, a sigla escolhida é a GTE, que faz uma ligação entre o mundo desportivo dos GT e o ambientalmente sustentável dos elétricos (E), posicionando-se como a escolha preferencial para quem pretende ter o conforto do motor a gasolina para viagens mais loucas, mas a possibilidade de circular com emissões zero. O modelo mais acessível nesta gama é o Golf GTE, que recorre a um sistema híbrido que associa um motor 1.4 TSI de 150 cv a uma unidade elétrica de 102 cv para uma potência combinada de 204 cv. A sua autonomia é de 50 quilómetros, com os tempos de carga a variarem entre as 3h45m numa tomada doméstica de 230 v e 10 a ou 2h15m numa de 16 a. Permite igualmente o funcionamento dos dois motores em simultâneo para respostas mais intensas. O consumo médio anunciado é de 1,7 l/100 km para emissões de apenas 40 g/km de CO2. O preço desta versão começa nos 45 144 euros.

Conceito semelhante tem o Passat GTE (em versões berlina e carrinha), que recorre a um sistema idêntico ao do Golf GTE, com a união de um motor 1.4 TSI de 156 cv a um motor elétrico de 116 cv para uma potência conjunta de 218 cv. Com autonomia de 50 quilómetros, recorre a um sistema como o do Golf GTE para guardar a carga da bateria para utilização posterior e função desportiva GTE. Nota para a conectividade pelo smartphone para controlo de diversas funções, graças ao serviço Car-Net e-Remote. Sendo a bateria de maior capacidade, os tempos de carga são ligeiramente maiores, com um tempo de 4h15m para um carregamento completo numa tomada de 2.3 kW ou de 2h30m numa tomada de 3.6 kW. Os preços do Passat GTE iniciam-se nos 48 007 euros no caso da berlina e nos 51 040 euros na carroçaria Variant.

Há ainda opções puramente elétricas. Na base de todos está o mais compacto e-up!, um modelo tendencialmente urbano que recorre a um motor de 82 cv e uma bateria de iões de lítio com 18.7 kWh de capacidade para uma autonomia homologada de 160 quilómetros. Os tempos de carregamento variam entre as nove horas de uma simples tomada doméstica e as seis horas no caso de uma wallbox de 3.6 kW. Num ponto de carga rápido, carregar 80% da bateria leva apenas meia hora. O seu custo base é de 27 768 euros.

A outra opção elétrica é o e-Golf, que tem aquele famoso compacto como base, mas que funciona sem emissões poluentes. O e-Golf é já uma evolução do modelo de 2013, com uma melhoria na capacidade da bateria, que aumentou dos 11.6 kWh para os 35.8 kWh, o que resulta no aumento da autonomia para os 300 quilómetros. A potência do motor é igualmente maior: 136 cv (100 kW). A bateria pode ser carregada até 80% numa hora num posto de carregamento rápido. Já a carga completa numa wallbox doméstica de 7.2 kW demora seis horas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Carlos Costa, Governador do Banco de Portugal. Fotografia: Gustavo Bom / Global Imagens

Carlos Costa avisa para riscos de euforia no mercado imobiliário

Faria de Oliveira, presidente da APB. Fotografia: Diana Quintela/Global Imagens)

Faria de Oliveira: Banca nacional teve legislação mais difícil que pares da UE

Imobiliário

Venda de casas subiu 20% no primeiro semestre

Outros conteúdos GMG
Uma gama com soluções variadas para diferentes expectativas