Ensino Superior

Universidade Nova de Lisboa e ISCTE já sem vagas para a segunda fase

Pormenor da fachada do novo campus da Nova School of Business & Economics (Nova SBE), em Carcavelos, Cascais, 29 de setembro de 2018. TIAGO PETINGA/LUSA
Pormenor da fachada do novo campus da Nova School of Business & Economics (Nova SBE), em Carcavelos, Cascais, 29 de setembro de 2018. TIAGO PETINGA/LUSA

Universidade Nova de Lisboa, o ISCTE e as três escolas de enfermagem, de Lisboa, Porto e Coimbra, já não têm qualquer vaga disponível.

A Universidade Nova de Lisboa, o ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa e as três escolas de enfermagem, de Lisboa, Porto e Coimbra, já não têm qualquer vaga disponível para as fases seguintes de acesso ao ensino superior.

De acordo com os dados oficiais hoje divulgados, estas são as cinco instituições públicas com a totalidade das vagas preenchidas logo na primeira fase do concurso nacional de acesso.

“A Universidade Nova de Lisboa é a única universidade generalista do país a ocupar 100% das vagas disponíveis na primeira fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior público 2019-2020, com a colocação de 2.577 alunos. Este é o melhor resultado de sempre alcançado pela Universidade Nova de Lisboa, que lidera, a nível nacional, 14 cursos de diversas áreas, ou seja, em 35% do total da sua oferta”, destaca a Universidade Nova em comunicado.

Por seu lado, o ISCTE, que já em anos anteriores tinha conseguido o mesmo desempenho, destaca também em comunicado o aumento da nota média de entrada nesta universidade, que subiu para 14,7 valores e o “índice de força” da instituição, ou seja, o peso dos candidatos em primeira opção face ao total de vagas disponíveis, que no caso do ISCTE é de 174,3%.

O ISCTE recebeu 1.933 candidaturas em primeira opção para 1.109 vagas disponíveis.

Outros casos em que a procura em primeira opção supera largamente a oferta total das instituições são os da Universidade Nova de Lisboa, Universidade do Porto, a Universidade do Minho e a Universidade de Lisboa.

No caso dos politécnicos essa situação apenas se verifica nos institutos de Lisboa e do Porto e na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril.

Há instituições que, apesar de não terem já preenchido todos os lugares, deixaram apenas algumas dezenas para as fases seguintes, como é o caso das universidades de Aveiro, Minho, Porto, Lisboa, dos politécnicos do Cávado e Ave, Lisboa, Porto, ou da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique, ainda que neste caso as 77 vagas deixadas em aberto representem quase metade das 173 levadas a concurso.

O número de colocados na primeira fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior aumentou para os 44.500 estudantes, 1,2% acima de 2018, revelam os dados oficiais que indicam ainda que mais de metade entrou na sua primeira opção.

Os resultados da primeira fase do concurso nacional de acesso estão desde hoje disponíveis na página da Direção-Geral do Ensino Superior (DGES) em http://www.dges.gov.pt.

Os candidatos puderam concorrer a 1.087 cursos nas universidades e politécnicos públicos.

A segunda fase de candidaturas decorre entre 09 e 20 de setembro e os resultados são divulgados a 26 de setembro.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Gustavo Bom / Global Imagens )

Englobamento agrava IRS para rendimentos ‘protegidos’ pelo mínimo de existência

(Gustavo Bom / Global Imagens )

Englobamento agrava IRS para rendimentos ‘protegidos’ pelo mínimo de existência

Salvador de Mello
( Álvaro Isidoro / Global Imagens )

Saúde não pode andar “ao sabor de ventos políticos”

Outros conteúdos GMG
Universidade Nova de Lisboa e ISCTE já sem vagas para a segunda fase